ASSINE

Coronavac: tire suas dúvidas sobre a primeira vacina que chegou ao ES

A vacina produzida pelo Instituto Butantan, de São Paulo,  em parceria com o laboratório chinês Sinovac, é a primeira a imunizar a população capixaba

Vitória
Publicado em 20/01/2021 às 02h00
Atualizado em 20/01/2021 às 13h06
O Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, anunciou nesta quinta-feira (7) a eficácia de 78% da vacina Coronavac contra o novo coronavírus (Covid-19)
Espírito Santo recebeu 101320 doses da Coronavac. Crédito: Adriana Toffetti/A7Press/Folhapress

Atualização

20 de Janeiro de 2021 às 13:08

A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) esclarece que, a decisão pela vacinação de pessoas com enfermidades reumáticas deverá ser tomada individualmente, analisando cada caso. Segundo a SBR, pacientes com doenças reumatóides autoimunes não estão entre os grupos de risco da Covid-19, sendo assim, a maior parte deles tem indicação para se vacinar. Por isso, a resposta para a pergunta "Quem não deve tomar vacina?" foi reformulada e o texto atualizado. 

Aprovada por unanimidade pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no último domingo (17), a Coronavac será a primeira vacina usada na campanha de imunização da população capixaba contra a Covid-19, que começou na segunda-feira (18).  Nesta fase  inicial, foram enviadas ao Espírito Santo pelo ministério da Saúde,  101.320 frascos, suficientes para vacinar mais de 50 mil pessoas, com a primeira e segunda dose. 

Para tirar dúvidas da vacina que vai ser aplicada no grupo prioritário capixaba,   A Gazeta reuniu as principais dúvidas e informações sobre o imunizante. Fazem parte do primeiro grupo que está sendo vacinado 42.273 profissionais da área da Saúde da linha de frente no combate à Covid-19, 2.793 indígenas, 2.970 idosos que moram em asilos e 210 pessoas com deficiência institucionalizadas.

PRODUÇÃO

A vacina chinesa começou a ser testada em voluntários brasileiros no mês de julho do ano passado. No Brasil, os estudos da última fase foram acompanhados por 12 centros de pesquisa em cinco estados e no Distrito Federal.

Um acordo firmado entre o Instituto Butantan e a farmacêutica Sinovac, responsável pela Coronavac, no valor de US$ 90 milhões, formalizou a transferência de tecnologia para produção da vacina pelo Butantan.

Além das 6 milhões de doses da vacina entregues ao Ministério da Saúde no domingo (17), para serem distribuídas aos estados, outras 40 milhões serão formuladas e envasadas em São Paulo.


De acordo com a pasta, no Espírito Santo fazem parte desse primeiro grupo beneficiado 42.273 profissionais da área da Saúde, 2.793 indígenas, 2.970 idosos institucionalizados e 210 pessoas com deficiência institucionalizadas.
Vacinas contra a Covid-19 começam a ser distribuídas no Brasil. Crédito: Divulgação/ Governo do ES

DÚVIDAS

Quem será vacinado na primeira fase da campanha com a Coronavac?

Na primeira fase da vacinação no Espírito Santo, que teve início na segunda-feira (18), 48.246 pessoas serão contemplados no Espírito Santo, totalizando 96.492 doses. Fazem parte do primeiro grupo 42.273 profissionais da área da Saúde, 2.793 indígenas, 2.970 idosos institucionalizados e 210 pessoas com deficiência institucionalizadas.

Quanto a Coronavac protege contra a Covid-19?

Os pesquisadores apontaram que a eficácia global, para todos os casos, é de 50,38%. Isto significa que uma pessoa não vacinada e exposta ao vírus tem o dobro de chance de se infectar com o coronavírus do que alguém que está vacinado. Contra os sintomas leves, o imunizante resulta numa eficácia de 78%, ou seja, entre os vacinados que tiverem a doença, 78% não precisa recorrer à assistência médica. Já nos casos graves ou moderados, a eficácia é de 100%. O número atesta que, entre as pessoas vacinadas que se infectaram, nenhuma delas precisaria de internação hospitalar ou ficaria em estado grave.

A Coronavac será a única usada no Espírito Santo?

Inicialmente, a vacina chinesa é a única que está sendo distribuída aos estados pelo governo federal. No entanto, o governador Renato Casagrande informou que o governo estadual mantém contato com outros laboratórios que tenham aprovação na Anvisa com a intenção de comprar mais imunizantes e, assim, agilizar o plano estadual de imunização no Espírito Santo.

Quanto tempo é necessário após a vacinação para uma pessoa ser considerar protegida?

São necessárias duas doses da vacina Coronavac para a imunização. A segunda é aplicada entre 14 e 28 dias após a aplicação da primeira.

Quem não deve tomar vacina?

Segundo a bula da Coronavac, a vacina não é indicada para pessoas que têm ou já tiveram  alergia a algum componente da fórmula da vacina (hidróxido de alumínio, hidrogenofosfato dissódico, di-hidrogenofosfato de sódio, cloreto de sódio, água para injetáveis e hidróxido de sódio para ajuste de pH, além do antígeno do vírus inativado SARSCoV-2) e para quem estiver com alguma doença aguda ou febre ou início agudo de doenças crônicas não controladas no momento da vacinação. Pacientes com doenças autoimunes e que passam por terapias imunossupressoras (que reduzem a eficiência do sistema imunológico) podem consultar o médico para saber se devem tomar a vacina. Os casos devem ser avaliados individualmente. 

Gestantes podem tomar a vacina?

Ainda não está prevista a disponibilização da vacina às gestantes, porque não foram realizados testes suficientes que deem segurança a aplicação nesse público-alvo.

Onde a vacina será aplicada?

No braço.

A vacina pode provocar quais reações?

Segundo o Butantan, as reações mais comuns entre os voluntários após a aplicação da primeira dose foram dor no local da aplicação e dor de cabeça. Não há nenhum relato de reação adversa grave à vacina até o momento. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.