ASSINE

Após ser resgatado, gato-do-mato é solto em parque do Sul do ES

A gatinha foi encontrada sozinha, na região do Caxixe, em Venda Nova do Imigrante. Machucada e com queimaduras, ela recebeu tratamento até ser colocada de volta na natureza

Publicado em 28/04/2021 às 10h46
Gato-do-mato foi resgatado, tratado e solto no Parque do Forno Grande, em Castelo
Gato-do-mato: espécie está ameaçada de extinção. Crédito: Divulgação/Iema

Depois de seis meses de treinamento, uma gatinha finalmente  pôde voltar para casa. Não, não nos referimos a uma gata comum, dessas que é possível ter como animal de estimação. A personagem desta história é um Leopardus guttulus, conhecido como gato-do-mato e ameaçado de extinção

A gatinha foi encontrada sozinha, na região do Caxixe, em Venda Nova do Imigrante, Região Serrana do Espírito Santo. Com alguns ferimentos devido a um incêndio, ela foi levada para Parque Estadual da Pedra Azul (Pepaz), em Domingos Martins. A médica veterinária Renata Hurtado lembra que o animal tinha queimaduras nas patas e no bigode.

“Apesar de ser filhote, o animal não estava em fase de amamentação e tinha comportamento agressivo, então foi possível criá-lo sem a necessidade de contato humano intenso. Assim, recebeu os cuidados adequados até sua completa recuperação”, afirma.

O TRATAMENTO

Resgatada, a gatinha recebeu todos os cuidados no Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres (Cetras), do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema). Ao longo dos seis meses de tratamento, o animal cresceu e manteve o comportamento agressivo na aproximação de humanos.

Renata Hurtado

Veterinária

"Foi um trabalho em conjunto, ao longo de meses, que nos permitiu dar uma segunda chance ao animal. Por estar ameaçado de extinção, cada indivíduo tem um grande valor para a conservação da espécie e muita gente se dedicou e ajudou para dar certo"
Gato-do-mato foi resgatado, tratado e solto no Parque do Forno Grande, em Castelo
Gatinha passou por cuidados e tratamento durante seis meses. Crédito: Divulgação/Iema

DE VOLTA À NATUREZA

Para que a gatinha pudesse voltar à natureza, foram realizados meses de treinamento com a ajuda dos especialistas em felinos selvagens, Jorge Salomão, da Ong Ampara Silvestre, e de Cristina Adamia, da Associação Mata Ciliar. Em um trabalho intenso, o gato-do-mato teve o recinto em que ficava ampliado e foi treinado para aprender a caçar e sobreviver na natureza.

"Quando consideramos o animal clinicamente apto à soltura, recebemos o apoio dos especialistas, que nos assessoraram na reabilitação e na implementação do treinamento pré-soltura, em especial de caça”, ressaltou a veterinária.

Na última sexta-feira (23), o gato-do-mato voltou para a natureza. O animal foi solto no Parque Estadual do Forno Grande, em Castelo, no Sul do Estado.

Gato-do-mato foi resgatado, tratado e solto no Parque do Forno Grande, em Castelo
Animal voltou para a natureza na última sexta-feira (23). Crédito: Divulgação/Iema

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.