ASSINE

Quatro produtos do agro do ES recebem investimento e melhoram qualidade

Parceria entre Fundação Renova e Brazil Foundation injetou R$ 220 mil em associações rurais de Baixo Guandu, área afetada pela lama da Samarco

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 06/06/2021 às 07h31
Projeto Doces Ilha da Fantasia, em Baixo Guandu, foi um dos que recebeu investimento
Projeto Doces Ilha da Fantasia, em Baixo Guandu, foi um dos que recebeu investimento. Crédito: NITRO Historias Visuais

Doces, massas, pães, verduras e hortaliças: os alimentos que chegam ao prato dos consumidores são, muitas vezes, o sustento de produtores rurais que vivem no interior capixaba. Quatro dessas inciativas, envolvendo famílias da região de Baixo Guandu, foram selecionadas e receberam, ao longo de 2019 e 2020, investimento de R$ 220 mil e capacitação para desenvolver seus pequenos negócios. 

Os projetos capixabas beneficiados foram: Massa dos Sonhos, da Associação de Produtores Rurais do Córrego Mutum Claro; Saúde na Cesta, da Associação dos Pequenos Produtores Rurais do KM 14 do Mutum Preto; Embalando Oportunidades, da Associação dos Pequenos Produtores de Alto Bananal (APPRAB) e a Produzindo Doces e Adoçando Vidas, da empresa familiar Doces Ilha da Fantasia.

O investimento é fruto de uma parceria entre a Fundação Renova e Brazil Foundation. Para concorrer, as iniciativas precisavam estar localizadas em um dos municípios atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, em 2015. O trabalho foi dividido em dois ciclos, beneficiando municípios mineiros e Baixo Guandu, no Espírito Santo.

A parceria tinha como objetivo gerar renda, apoiar o empreendedorismo e agregar valor aos produtos. Ao todo, as instituições investiram mais de R$ 1 milhão. "A grande contribuição dessa parceria foi apoiar esses grupos para que eles fortalecessem sua autonomia nos processos produtivos e de geração de renda”, assinala o analista de Economia e Inovação da Fundação Renova, André Mapa.

CAPACITAÇÃO E INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS

Massa dos Sonhos, projeto que une 29 mulheres na área rural de Baixo Guandu
Massa dos Sonhos, projeto que une 29 mulheres na área rural de Baixo Guandu. Crédito: Assessoria de Imprensa/Renova

Comandado e executado por mulheres, o projeto Massa dos Sonhos profissionalizou um grupo de 29 mulheres que produziam biscoitos para merenda escolar pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). Antes do investimento, cada mulher trabalhava em sua casa e não havia diversificação ou comercialização dos produtos. 

"Fazíamos tudo manual, com nossos fornos caseiros e nosso material. Trabalhávamos só com a merenda escolar porque não tínhamos equipamento para fazer com mais qualidade", relata Dalva Blunk Von Held, uma das integrantes do grupo, que é composto de 29 vizinhas que, incialmente, se reuniram com a ideia de começar uma quadra de costura.

As capixabas receberam mais de R$ 52 mil em investimento e cursos de capacitação para comercialização dos produtos. "A gente não tinha nada, agora a gente tem dois fornos, armários, mesa, assadeira, cilindro, ganhamos tudo, graças a Deus, e pudemos ampliar toda a nossa padaria. A gente só tinha o espaço e agora a gente tem tudo, ajudou demais", comemora.

A produção que era apenas de biscoito se multiplicou. Agora, a padaria produz diferentes tipos de pães e doces. "Semana passada mesmo fizemos 800 pães, a produção rendeu bastante", relata Dalva. As merendas estão suspensas devido à pandemia, mas as vendas continuam para moradores de Baixo Guandu. O próximo passo é conseguir um carro apropriado para levar a produção.

"Por enquanto alugamos um carro para levar os produtos, estamos lutando para ganhar um carro, tem que ser um carro preparado para levar merenda, um que não entre poeira. Quando voltar a ter feiras estaremos lá, já temos o espaço. Fomos lutando e com esse projeto realizamos os sonhos das máquinas. Por nós mesmos acho que a gente não conseguiria comprar tudo isso. Hoje em dia tem até câmera, tem alvará de funcionamento, tem tudo certinho", relata com orgulho.

Quem também está ansiosa para voltar a vender nas feiras estaduais é Márcia Frederico de Almeida Percílios. Ela e os pais têm uma fábrica de doces em sua propriedade rural, a Doces Ilha da Fantasia. O empreendimento familiar foi escolhido para receber R$ 62 mil de investimento, mas sofreu com os impactos da pandemia.

Doces Ilha da Fantasia, fábrica em Baixo Guandu recebeu investimento
Doces Ilha da Fantasia, fábrica em Baixo Guandu recebeu investimento. Crédito: NITRO Historias Visuais

"As vendas caíram na pandemia, não está tendo muito cliente, vendíamos muito em eventos e feiras estaduais. Mas estamos com uma estrutura para aumentar a produção, era tudo manual e hoje compramos os maquinários que aumentou bastante a nossa capacidade produtiva", relata Márcia.

Antes do projeto, a família produzia cerca de 50 bandejas de doces por semana. Com o investimento, a capacidade de produção aumentou para 400 bandejas por semana, e resultou na contratação de mais três funcionários. Ao todo, 20 pessoas foram beneficiadas diretamente pelo projeto.

EMBALAGEM E COMERCIALIZAÇÃO DE ORGÂNICOS

Outros dois projetos envolvendo produtores rurais da região de Baixo Guandu foram beneficiados. A Associação dos Pequenos Produtores Rurais do KM 14 do Mutum Preto investiu na comercialização de cestas com produtos como hortaliças e legumes produzidas pelo associados.

O projeto "Saúde na Cesta" foi beneficiado com um investimento de R$ 61,7 mil que possibilitou a aquisição de um veículo para distribuição das cestas e beneficiou cerca 78 capixabas diretamente.

Já o projeto Embalando Oportunidades, da Associação dos Pequenos Produtores de Alto Bananal (APPRAB), em Baixo Guandu, trabalha com produção e embalo de quiabo. Antes de receber o investimento, o legume era comercializado a granel, o que diminuia sua durabilidade para apenas cinco dias. Com capacitação para um processo de seleção, a durabilidade do produto passou para dez dias e possibilitou a venda para novos mercados.

A Associação recebeu R$ 44.980,00 de investimento, com um espaço adequado para o processo de embalagem , melhoria da infraestrutura do local de trabalhado dos produtores, com instalação de novas mesas, cadeias, ventiladores e um refeitório. Com as melhorias, o grupo atingiu a marca de 55 mil bandejas embaladas por semana.

Segundo a fundação Renova, o incremento do preço pode chegar até 75% do praticado antes do início do projeto, o que aumenta a renda de 32 capixabas que foram diretamente beneficiados.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.