ASSINE

Produção de rosas vira carro-chefe em cafezal de Itarana

Família do interior do Espírito Santo investiu no plantio de rosas e hoje tem 2,7 mil pés delas e de outras flores e plantas de ornamentação

Publicado em 03/02/2020 às 09h30
Atualizado em 03/02/2020 às 09h30
Plantio de café da família de Danieli Beccalli, em Itarana, abriu espaço para o de flores . Crédito: Arquivo pessoal
Plantio de café da família de Danieli Beccalli, em Itarana, abriu espaço para o de flores . Crédito: Arquivo pessoal

Há três anos, o plantio de café da família de Danieli Beccalli, 45 anos, que fica em Itarana, Noroeste do Espírito Santo, ganhou novas cores. O local não tem mais apenas as flores brancas do café para perfumar o ambiente. De diferentes formatos e tamanhos, com pétalas coloridas, outras começaram a nascer por ali, ou melhor, a ser cultivadas. Apesar de não ter abandonado a cafeicutura, hoje o carro-chefe desses produtores são as rosas.

O interesse começou quando a Danieli assistiu uma palestra que falava que Itarana tinha solo e clima favorável à produção de flores e de uvas, isso há dez anos atrás. Mas o cultivo só veio bem depois. 

Danieli Beccalli

Agricultora

"Trabalhei muito tempo no setor da saúde pública. Mas, em 2015, fiquei desempregada. Naquele período, o Estado estava passando por uma seca muito grande. Minha família trabalhava com café e resolvi investir na plantação de rosas, porque elas demandavam pouca água"

Ela e o marido, o agricultor Fábio Covre, 49 anos, começaram com um projeto pequeno, apenas 600 pés de rosa para corte. Hoje, já estão em 2,7 mil e de diversos outros tipos de plantas de ornamentação: rosa do deserto, suculentas e begônias divididas em quatro estufas de flores com 4 mil vasos cada.

Plantio de café da família de Danieli Beccalli, em Itarana, abriu espaço para o de flores. Crédito: Arquivo pessoal
Plantio de café da família de Danieli Beccalli, em Itarana, abriu espaço para o de flores. Crédito: Arquivo pessoal

Para fazer o negócio crescer, ela, Flávio e o filho mais novo, Daniel Beccalli Covre, 15 anos, foram à procura de apoio e estudo. “Buscamos auxílio no Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) e no Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Além disso, todos os anos vou à Holanda para estudar mais sobre flores e conhecer novas técnicas. Hoje trabalhamos com rosas de corte, folhagens e vasos”, conta Danieli.

Para quem vai até a propriedade visitar o campo de flores, a dúzia de rosas sai a R$ 8, mas a produção também é vendida em feiras, para ornamentar casamento e igrejas. “A nossa ideia sempre foi trazer um produto que pudéssemos cultivar no município e a um preço acessível para as pessoas. Elas vão à feira comprar frutas e verduras e levam para casa flores também”, comenta.

PRODUÇÃO AMPLIADA

Por metro quadrado, o cultivo de flores é mais vantajosa do que a de café, segundo Danieli. Em uma área de 100 metros quadrados, seria possível plantar entre 100 e 150 pés de café. Nesse mesmo espaço cabem cerca de 800 pés de rosas.

Danieli Beccalli

Agricultora

"Temos 105 hectares de terra (1.500.000 metros quadrados). Neles estão plantados 7 mil pés de café e o restante são flores. Eu recebi a propriedade de herança do meu pai, ele queria me dar uma terra para tomar conta ainda em vida. Então eu tinha a missão de fazer ela produzir e dar lucro. Ela tinha que pagar as próprias contas da produção. Ter uma propriedade e só gastar com ela não é bom, ela tem que render. E deu certo"
Plantio de café da família de Danieli Beccalli, em Itarana, abriu espaço para o de flores. Crédito: Arquivo pessoal
Plantio de café da família de Danieli Beccalli, em Itarana, abriu espaço para o de flores. Crédito: Arquivo pessoal

PRODUTORES QUEREM DESENVOLVER A FLORICULTURA NO SUL E NO CAPARAÓ CAPIXABA

A floricultura capixaba quer conquistar mais espaço dentro do Espírito Santo. Atualmente, a maior parte das flores comercializadas no Estado vem ou de São Paulo, ou do Rio de Janeiro. A ideia é que nos próximos anos a Região Sul e o Caparaó aumentam sua fatia de mercado e forneçam flores até para o norte fluminense.

No projeto inicial desenvolvido pela Associação de Produtores de Plantas Ornamentais da Região Sul e do Caparaó (Sulcaflor) em parceria com a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), 15 produtores receberiam ajuda para implantar casas de vegetação (uma casa de plástico fechada e não climatizada) para plantio de flores em vasos e novas lavouras ao ar livre.

Cíntia dos Santos Bento, professora do Departamento Agronomia da Ufes no campus de Alegre, explica que a Ufes vai entrar com a parte científica, levando pesquisa e treinando os produtores. “Nossa ideia geral é melhorar a produção de flores dessas regiões e ajudar aos produtores”, comenta.

De acordo com o presidente da Sulcaflor, Clemilson César Barbosa, para tornar a ideia possível é preciso um investimento de R$ 1,5 milhão, o que deve vir por emenda parlamentar e pelo governo do Estado. A construção dos equipamentos, implantação e desenvolvimento do projeto levaria cerca de três anos.

Clemilson César Barbosa

Presidente da Sulcaflor

"Hoje a associação tem 17 pessoas e está presente em oito municípios. Ao todo, temos uma área de plantio de seis hectares de área. Queremos, com o projeto chegar a uma área de sete hectares de produção"

Sobre o projeto, a Secretaria de Estado de Agricultura informou por nota que foi realizada uma discussão técnica para criar um projeto visando a expansão e a produção da floricultura na região associada ao agroturismo e que os trabalhos de elaboração da proposta ainda estão em andamento.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.