ASSINE

Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES

Produtores e cooperativas reforçam higiene e relatam queda na receita depois que o coronavírus se espalhou pelo mundo

Publicado em 11/05/2020 às 13h02
Atualizado em 11/05/2020 às 13h02
Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES
Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES. Crédito: TV Gazeta Sul

A pandemia do novo coronavírus tem afetado o comportamento e a economia da sociedade e do setor produtivo, principalmente em grandes centros. No entanto, mesmo com o maior número de casos de pessoas infectadas sendo registrado em regiões metropolitanas, o vírus não deixa de preocupar quem está no interior e em atividades de pouco contato com o público, como é o caso dos produtores de leite.

No Espírito Santo, a atividade da pecuária leiteira é praticada em vários municípios e a rotina dos produtores precisou ser readequada para evitar ao máximo que a nova doença chegue às propriedades. Em Atílio Vivácqua, na Região Sul do Estado, o produtor Ronaldo Guima explica que as práticas de higiene já recebem bastante atenção durante toda a ordenha do leite, mas que o cuidado foi redobrado por conta da Covid-19.

Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES
Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES. Crédito: TV Gazeta Sul

“A gente fica preocupado porque é um vírus e a gente não vê, por isso preocupa mais. Mas como o leite é um alimento, então já tem que ter muita higiene. A cooperativa já pedia para a gente ter muito cuidado por causa da qualidade do leite, e agora com o coronavírus a gente aumentou ainda mais a higiene para prevenir também”, diz o produtor.

Ronaldo conta ainda que, para manter tudo limpo, ele utiliza muita água e vários tipos de produtos, inclusive desinfetantes, na limpeza do curral e dos equipamentos utilizados. “Eu jogo cal virgem no chão, onde o gado passa, para matar a bactéria, e a gente tem o tanque para lavar as mãos e a ordenha. Aqui, se sujou tem que lavar. Para lavar a ordenha, tem dois produtos, um alcalino, usado todo dia, e um ácido, utilizado umas duas vezes por semana. E eu gosto de dar uma enxaguada com cloro também, além de lavar o tanque com detergente”, explica.

Outro fator que merece atenção do produtor é a entrega do leite para a indústria de beneficiamento. No caso da produção do Ronaldo, todo o leite, cerca de 220 litros por dia, vai para uma cooperativa de laticínio de Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo, que busca o produto dentro da propriedade.

Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES
Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES. Crédito: TV Gazeta Sul

O presidente da cooperativa, Leonardo Monteiro, fala que essa coleta do leite também teve seus cuidados intensificados a fim de evitar a proliferação do coronavírus nas propriedades rurais. “Nossos motoristas estão com mais cuidados na hora de coletar o leite no campo, para não levar problema ao produtor. Seguindo as normas do Ministério de Saúde, todos os nossos caminhoneiros estão de máscaras e fazendo uso de álcool em gel”, conta.

Na cooperativa, algumas medidas também foram tomadas como forma de prevenir contra a Covid-19. Na recepção da empresa, por exemplo, todos os veículos passam por uma desinfecção e os motoristas têm a temperatura corporal aferida.

“Já temos um grande controle de qualidade na recepção e no processamento do leite na nossa fábrica. Seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS), as medidas de combate ao novo coronavírus foram adotadas”, declara Leonardo.

Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES
Pandemia impõe desafios à pecuária leiteira no interior do ES. Crédito: TV Gazeta Sul

O presidente da cooperativa afirma ainda que além do uso de máscara e álcool em gel por todos os colaboradores, cerca de 70 funcionários estão em casa, incluindo idosos com mais de 60 anos, gestantes e outros que também estão em grupo de risco. Todos com faltas abonadas.

QUEDA NA RECEITA

A mudança no comportamento da sociedade e as restrições de funcionamento do comércio afetaram também a receita da cooperativa de leites e derivados. Leonardo Monteiro avalia que o fato das pessoas se alimentarem menos fora de casa provocou uma redução na procura dos produtos de maior valor agregado, que são os derivados, muito utilizados por estabelecimentos comerciais.

“Com a pandemia tivemos sim uma queda de receita, porque a população não está saindo de casa. Com isso, diminuímos também a fabricação desses produtos de maior valor agregado. A sorte é que a cooperativa é consolidada no mercado, e temos leite em pó e leite UHT (Longa Vida), que está suprindo essa queda na venda dos produtos de maior valor agregado no mercado”, relata.

Com informações de Mônica Camolesi/TV Gazeta Sul

Agronegócio ES Sul Pandemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.