ASSINE

Primeiro homem que amei era da Aeronáutica, diz Ney Matogrosso

Cantor afirma que teve romance 'quase platônico' com colega quando serviu nas Forças Armadas, no Rio de Janeiro

Publicado em 30/07/2021 às 17h51
Ney Matogrosso, cantor
O cantor Ney Matogrosso fará 80 anos no dia 1 de agosto. Crédito: Divulgação

Ney Matogrosso faz 80 anos no próximo domingo (1º), e lembrou histórias de antes da fama em entrevista à Folha. Ele contou que a primeira paixão de sua vida foi um recruta do Espírito Santo, que conheceu quando serviu a Aeronáutica, no Rio de Janeiro.

"Quando cheguei lá recruta, não tirava a camisa na frente de ninguém. Era todo problemático mesmo. Cheguei lá, e o banheiro em que a gente tomava banho era assim, com 20 chuveiros e tomavam banho 20 homens por vez. Imagina eu, que não tirava a camisa, tive que ficar nu! Só que eu me via como um monstro, não é isso? Achava tudo meu feio --pé feio, mão feia, perna feia."

"No dia que tirei a roupa, com aquela quantidade de recrutas, ninguém achou nada. Todo mundo achou normal, sabe? Então não era o que eu estava pensando. Ali, comecei a desgrilar com o corpo. Foi meu preparo para chegar ao Secos & Molhados. Só que cheguei com muito mais ousadia. Já estava mais seguro de tudo isso, de que mesmo não sendo dançarino eu poderia dançar."

Ele foi recruta entre o fim dos anos 1950 e o começo dos 1960. Quando se viu apaixonado pelo rapaz do Espírito Santo, Ney recorda que ambos falavam sobre os próprios sentimentos, mas não tinham coragem de dar o primeiro passo.

"Teve um beijo", diz. "Mas não foi um beijo de amor entre nós. Era todo mundo adolescente, com 17 anos. Chegaram para mim e para ele dizendo 'duvido que vocês deem um beijo na boca'. Aí demos um beijo, na frente de todos. Foi aquela gritaria, saiu todo mundo correndo cada um para um lado. Coisa de adolescente."

Eles ainda se encontraram, anos depois. "Estive com ele várias vezes. Aí ele casou, tinha filhos e, quando eu ia ao Espírito Santo, ele ia ao hotel, ficava comigo, passava a tarde comigo. Nunca rolou nada, porque também ele já tinha outra vida, né? Eu também não ia ficar, eu já estava em outra, Ele era um amigo, uma pessoa, imagina, uma pessoa de quem eu tinha essa lembrança, foi o primeiro homem que eu amei na vida."

A Gazeta integra o

Saiba mais
LGBTQIA+ Famosos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.