ASSINE

Foliões e blocos criticam falhas no som dos trios no Centro de Vitória

Nas apresentações dos blocos Regional da Nair e BatuQdellas, o áudio baixo e com falhas incomodou quem estava na folia e as próprias bandas

Publicado em 24/02/2020 às 21h15
Atualizado em 25/02/2020 às 13h20
Bloco Regional da Nair saiu com um trio elétrico, mas houve problemas com o som. Crédito: Ricardo Medeiros
Bloco Regional da Nair saiu com um trio elétrico, mas houve problemas com o som. Crédito: Ricardo Medeiros

A estrutura de som dos blocos que passaram pela Avenida Beira-Mar, no Centro de Vitória, neste domingo (23) e segunda (24), foi alvo de críticas por parte dos foliões e das próprias bandas, que a consideraram insuficiente para o espaço e para a quantidade de pessoas no local.

No domingo, o bloco Regional da Nair, que é o maior do carnaval de Vitória, saiu com um trio elétrico que estava sem som. O grupo se apresentou apenas com o som ambiente dos instrumentos e cantores. Nesta segunda, o BatuQdellas, que também desfilou no circuito da Beira-Mar, saiu com um trio, de onde era possível para as cantoras puxarem as músicas, mas o som teve falhas em várias ocasiões.

Uma das integrantes da banda chegou a reclamar no microfone, de cima do trio. Ela chamou a atenção para que a Prefeitura de Vitória fizesse mais investimentos no carnaval.

Bloco BatuQdellas teve o apoio de um trio elétrico, mas o som registrou falhas. Crédito: Fernando Madeira
Bloco BatuQdellas teve o apoio de um trio elétrico, mas o som registrou falhas. Crédito: Fernando Madeira

A banda Regional da Nair recebeu centenas de mensagens, com críticas, nas redes sociais.

"Este ano o bloco tava totalmente fora do padrão. Não deu pra curtir uma música sequer porque, de perto ou mais afastado do bloco, não dava para ouvir nada!", disse uma internauta.

"Saio de Guarapari pra curtir a Regional há uns 3 anos, hoje fiquei agarrada na corda e não conseguia ouvir uma música, só um batuque, já passou da hora de ter alguém no trio cantando e distribuindo o som da bateria", declarou outra.

Horas depois, a banda Regional da Nair se posicionou por meio de outra postagem na página. "São 10 anos de avenida em que a gente sempre se esforçou para fazer o melhor para todos. Ontem nem tudo saiu como planejamos. Tivemos problemas técnicos com o som e pedimos desculpas. Diante de todas as dificuldades, decidimos fazer aquilo que a gente acredita. Um carnaval no chão, com muito amor, festa e folia".

A Prefeitura de Vitória informa que as estruturas de som ficam a cargo dos blocos, que contratam o serviço. A prefeitura também informa que disponibiliza limpeza, banheiros e segurança para os blocos autorizados e cuida ainda da logística, garantindo o menor impacto possível aos bairros que recebem os foliões.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.