ASSINE

ES lança plano para retomada e precisa de foco para tirá-lo do papel

Sem perspectiva de quando se verá livre da pandemia, a gestão de Renato Casagrande mantém o enfrentamento direto ao novo coronavírus no foco, ao mesmo tempo em que planeja a recomposição do ambiente econômico

Publicado em 26/11/2020 às 05h00
Baía de Vitória - Fotos aéreas para o aniversário de Vitória - Editoria: Cidades - Foto: Felipe Mota - Fly Now - GZ
Baía de Vitória. Crédito: Felipe Mota/Fly Now

Em artigo recente publicado em sua coluna neste jornal, o economista Orlando Caliman propôs, como exercício de imaginação, que se projetasse como estaria o Espírito Santo atualmente sem o ES 2025, plano de desenvolvimento construído em 2005, e o ES 2030, em 2013. Mesmo que todas as metas traçadas não tenham sido cumpridas, não é forçoso supor que o Estado teria sofrido com muito mais intensidade as intempéries que se abateram sobre todo o planeta com a pandemia do novo coronavírus.

Desde o primeiro plano, e mesmo antes disso, já estavam lá as preocupações com a diversificação da economia capixaba para atenuar a volatilidade das commodities, os desafios impostos à redução da desigualdade social e dos índices de violência e antevisões sobre a pressão que a agenda ambiental exerceria sobre governos e empresas. Com a pandemia do novo coronavírus, velhos e novos problemas que atravancam o desenvolvimento do Estado agora exigem respostas urgentes e precisas.

Algumas delas começam a ser dadas nesta quinta-feira (26), com o lançamento de um novo programa estratégico para os próximos dois anos, o Plano Espírito Santo, cujo propósito é dinamizar o cenário local e acelerar a retomada. Em linhas gerais, conforme adiantou a coluna de Beatriz Seixas, o programa prevê R$ 32 bilhões em investimentos, e as medidas para injetar ânimo na economia incluem linhas de crédito, programas de incentivo à tecnologia e inovação, redução da burocracia e obras de infraestrutura. É um compêndio de esforços, que demanda participação não apenas do governo estadual, mas também da esfera federal e da iniciativa privada para pavimentar o caminho do Estado para fora da crise.

Sem perspectiva de quando se verá livre da pandemia, a gestão de Renato Casagrande mantém o enfrentamento direto ao novo coronavírus no foco, ao mesmo tempo em que planeja a recomposição do ambiente econômico. Após a vacinação, que se espera que chegue logo em 2021, o Espírito Santo terá que lidar com antigos desafios, a exemplo dos gargalos logísticos, e com os escombros deixados pelo efeito cascata da crise sanitária, entre eles o binômio explosivo de baixa da arrecadação e maior demanda por serviços públicos, devido ao empobrecimento da população.

Por isso é elogiável a iniciativa de traçar prioridades e cooptar apoio desde já. O Estado já não vinha de uma posição confortável, com PIB estagnado em 2019, e precisa investir em suas potencialidades para não desperdiçar nenhuma oportunidade de alavancar sua recuperação. A nova lei do gás e o marco do saneamento estão entre os instrumentos que devem ser explorados para atrair investimentos, assim como a desestatização da Codesa.

Nas mãos dos governos estadual e federal estão obras estruturantes pelas quais o Espírito Santo espera há anos e que não podem ser mais adiadas. Reconhecê-las no plano é um passo importante, mas é preciso compromisso para finalmente tirar do papel a Ferrovia EF 118 e a duplicação da BR 262, empacadas em Brasília, e concluir as intervenções no Portal do Príncipe, que tiveram início neste ano após muitas promessas.

Para sair desta crise, não há espaço para improvisos ou hesitações. O plano lançado nesta quinta deve mapear o potencial do Espírito Santo, mas principalmente buscar sanar suas vulnerabilidades. Há também obstáculos históricos a serem debelados, como a formação de mão de obra qualificada, os bolsões de pobreza e os investimentos incipientes em ciência e tecnologia. Contudo, mesmo em meio às incertezas, há bons ventos que vêm ao encontro de vocações do Espírito Santo, sobretudo no comércio exterior e no setor de petróleo e gás. É preciso saber aproveitar a menor brisa, pois como prega o ensinamento atribuído ao filósofo romano Sêneca, já bem em domínio popular, não há vento favorável para barco sem rumo.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.