ASSINE
Graduado em Economia pela UFES, com pós-graduação em Gestão Financeira pela FGV/Mmurad. Agente de Investimentos autorizado pela CVM. Sócio da Valor Investimentos.

Como fica o investimento em renda fixa se a inflação seguir alta em 2023?

A perspectiva que se desenrola é que serão dois anos de taxas muito altas no Brasil: inflação e juros. Esse cenário é bom para a renda fixa

Vitória
Publicado em 25/07/2022 às 09h08

É razoável dizer que o IPCA encerre o ano de 2022 entre 7,0% e 8%, de acordo com alguns economistas. A verdade é que a chance de a inflação no ano que vem ficar acima da meta é muito grande, mesmo se considerarmos as desonerações fiscais realizadas entre governo federal e estados.

Outro ponto se trata do ciclo de aumento de juros pelo Banco Central (BC). É possível que haja mais uma alta da Selic, com a taxa ficando em 13,75% ao ano por um bom tempo. Se caso, pós-eleição, tudo ocorrer bem, somente a partir do segundo semestre de 2023 é que os juros de curto prazo da economia voltariam a ser cortados, chegando à casa dos 11% em dezembro.

A perspectiva que se desenrola é que serão dois anos de taxas muito altas no Brasil, ou seja, isso é bom para a renda fixa. Títulos públicos e bancários atrelados à inflação são alternativas cada vez mais atraentes.

Vamos imaginar um cenário com o pé no chão. Imaginemos que somente em 2024, o país comece a conviver com inflação mais baixa. Em outras palavras, com o IPCA caminhando para os 5,5%.

Para este cenário se tornar crível, é preciso que o governo ganhe a confiança do mercado, mostrando qual será a nova âncora fiscal ao longo dos próximos anos. Isso quer dizer que o governo deverá responder qual a política econômica quer desenvolver para colocar a dívida pública numa sequência de queda, ano a ano.

Enquanto os juros de curto prazo, definidos pelo BC, norteiam os custos que o Tesouro Nacional paga para financiar a dívida pública, as taxas longas, que são o preço dado pelo mercado para as empresas levantarem recursos pelos próximos cinco, dez ou 20 anos, seguem elevadas.

Fundos de investimento; renda fixa; dinheiro
Investidor precisa analisar cenário para conseguir boa rentabilidade. Crédito: Feodora Chiosea/Getty Images/iStockphoto

Esse é o preço da incerteza, porque não se sabe qual a estratégia de ajuste fiscal do governo brasileiro no próximo ano, seja lá quem vai ocupar o cargo após a eleição de outubro.

As coisas caminham juntas. Segundo o Mansueto Almeida, ex-secretário do Tesouro Nacional, “se aumentar o risco fiscal, se não ficar claro que há responsabilidade, aumenta-se o prêmio de risco, levando a juros de longo prazo maiores, à desvalorização do câmbio e um cenário desafiador com impacto no curto prazo”.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
IPCA Inflação Selic Flávio Mattedi Mercado Financeiro Taxa Selic Renda Fixa

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.