ASSINE

Como humanizar o atendimento ao idoso em casas de vivência

Especialista explica que atendimento mais acolhedor ajudou os idosos que passaram por um isolamento mais rigoroso no período de pandemia

  • Aracê Casa de Vivência

  • Estúdio Gazeta

    O Estúdio Gazeta é o time de produção de conteúdo para anunciantes da Rede Gazeta, com estrutura independente da Redação de A Gazeta/CBN.
Publicado em 27/07/2021 às 13h30
Como humanizar o atendimento ao idoso em casas de vivência
Instituições que cuidam de idosos precisaram se adequar às normas de distanciamento e isolamento social. Crédito: Aracê Casa de Vivência/Divulgação

Idosos que vivem em instituições de longa permanência, como abrigos, asilos, casas de vivência ou clínicas de repouso já estão mais acostumados a passar períodos maiores longe de familiares. Mesmo assim, a pandemia do novo coronavírus foi desafiadora para esse grupo, que teve que aprender a lidar com um distanciamento ainda mais severo.

Entre os muros dessas casas, coube aos cuidadores a tarefa de tornar essa fase menos sofrida. Nesse caso, um olhar mais humanizado foi essencial para evitar até um adoecimento dos idosos, como destaca a enfermeira Eleonara Albertasse, que atua na Aracê Casa de Vivência, em Vitória.

Como humanizar o atendimento ao idoso em casas de vivência
Um olhar mais humanizado foi essencial para evitar até adoecimento dos idosos. Crédito: Aracê Casa de Vivência/Divulgação

"Com um olhar humanizado da equipe, o idoso é visto como um todo. Assim, conseguimos trabalhar demandas específicas e melhorar a qualidade do atendimento prestado. O objetivo é ajudar o idoso a aderir melhor ao tratamento dele e a lidar com as limitações dele", comenta ela.

Eleonara conta que, por causa da pandemia, as instituições que cuidam de idosos precisaram se adequar às novas políticas públicas de distanciamento e isolamento social. "Foram suspensas as visitas dos familiares. E entendemos que cada um desses idosos residentes na Aracê é o amor na vida de um familiar", destaca.

Como humanizar o atendimento ao idoso em casas de vivência
Eleonara: "Com um olhar humanizado da equipe, o idoso é visto como um todo". Crédito: Aracê Casa de Vivência/Divulgação

ALTERNATIVAS

O jeito foi adotar alternativas para aproximar os idosos de seus parentes. "De forma organizada, diariamente realizamos videochamadas com o objetivo de dar manutenção e fortalecimento aos vínculos dos idosos com os familiares e amigos, além de minimizar os efeitos negativos do isolamento social", cita a enfermeira.

Ficou claro para a equipe, diz Eleonara, que manter o contato e convívio virtual com a família e amigos ajuda a minimizar os riscos de depressão, ansiedade, transtornos alimentares e isolamento social que se agravaram na pandemia.

Como humanizar o atendimento ao idoso em casas de vivência
Instituição adotou medidas alternativas para aproximar os idosos de seus parentes. Crédito: Aracê Casa de Vivência/Divulgação

"Nosso público se apresenta, na sua maioria, em estágios avançados de doença senil, como alzheimer e parkinson. Um olhar mais humanizado é entender suas limitações físicas e cognitivas, auxiliando para a preservação da manutenção das atividades básicas diárias e prestando assistência de enfermagem integralmente", finaliza Eleonara, da Aracê Casa de Vivência.

Este é um conteúdo de responsabilidade do anunciante.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde idosos Saúde Saúde mental Pandemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.