ASSINE

Idoso precisa de dentadura? Veja mitos sobre saúde bucal na 3ª idade

A idade avança, mas o sorriso não precisa envelhecer. Especialistas dão dicas de como cuidar dos dentes após os 60 anos

Publicado em 16/07/2021 às 16h30
Segundo a dentista Luciane Alves, com o avanço dos tratamentos odontológicos e de orientações a esses cuidados, hoje é possível chegar à terceira idade com todos ou maior parte dos elementos dentários naturais e em função.
Segundo a dentista Luciane Alves, com o avanço dos tratamentos odontológicos e de orientações a esses cuidados, hoje é possível chegar à terceira idade com todos ou maior parte dos elementos dentários naturais e em função. Crédito: Prostooleh/Freepik

Muita gente ainda tem aquela imagem de um idoso usando a dentadura. Foi algo que ficou no imaginário popular, aparecendo em filmes, novelas, até em piadas (de mau gosto). Mas os tempos são outros. E um idoso que seja totalmente sem dentes é algo cada vez mais incomum de se ver.

Quando se fala em saúde bucal na terceira idade, precisamos deixar de lado vários mitos, entre eles o da dentadura, como destaca a dentista Luciane Alves, que atua na Aracê Casa de Vivência, em Jardim Camburi, em Vitória.

"Não é mais verdade que todo idoso um dia usará dentadura. Com o avanço dos tratamentos odontológicos e de orientações a esses cuidados, hoje é possível chegar à terceira idade com todos ou maior parte dos elementos dentários naturais e em função", diz ela.

A ortodontista Flávia Machado concorda. "É perfeitamente possível envelhecer com todos os dentes, desde que haja cuidados preventivos e de manutenção da saúde bucal. A geração que hoje tem entre 80 e 90 anos, infelizmente, não teve acesso a essa cultura e muitos, de fato, usam dentaduras ou próteses parciais. Já os indivíduos entre 60 e 75 anos, que puderam receber cuidados odontológicos, apesar de ainda fora de uma visão mais preventiva, já vivem a realidade de envelhecer com seus próprios dentes, mesmo que tenham passado por intervenções como tratamentos de canal, coroas dentárias, implantes, entre outros", observa Flávia.

Como dona Vera da Silva, de 76 anos, que é uma das residentes na Aracê. Lá, com todas as consultas de rotina em dia, ela consegue estampar um sorrisão intacto. Nunca precisou arrancar um dente!

PROBLEMAS

Segundo Luciane, entre os principais problemas que afetam a saúde bucal do idoso está a xerostomia, que é a boca seca. "Ela ocorre geralmente pela diminuição natural da saliva e pelo uso de medicamentos", explica.

É algo, diz ela, que não precisa gerar sofrimento. "O dentista poderá recomendar métodos para manter a boca mais úmida."

Além disso, outras questões que podem surgir são cáries, lesões de boca, gengivites, periodontites, sensibilidade dentinária e dificuldade de higienização tanto dos dentes quanto das próteses dentárias.

Dona Vera da Silva, de 76 anos, nunca precisou arrancar um dente e estampa um sorrisão intacto.
Dona Vera da Silva, de 76 anos, nunca precisou arrancar um dente e estampa um sorrisão intacto. . Crédito: Aracê Casa de Vivência/Divulgação

CONSULTAS

Não é porque a idade está avançada que se deve deixar de lado as consultas odontológicas de rotina. "As consultas odontológicas devem ser seguidas de acordo com as orientações do seu dentista. Há casos que ocorrem de três em três meses, mas podem ser também preconizadas a cada seis meses. Cada caso será avaliado de acordo com os sintomas apresentados", aponta Luciane.

Flávia afirma que, após os 60 anos, os cuidados devem se voltar, principalmente, para a saúde periodontal, que envolve atenção à gengiva e ao osso que sustenta os dentes, chamado de osso alveolar.

"Certamente, a principal dica para que o idoso melhore sua saúde bucal é que faça consultas frequentes ao dentista para que haja um bom controle periodontal, da gengiva e do osso de sustentação, além da avaliação periódica das restaurações ou próteses presentes, exame das mucosas da boca e também a avaliação da qualidade do sono", frisa.

Mesmo os mais velhos podem ter sorrisos perfeitos. Não à toa, vemos cada vez mais idosos usando aparelhos ortodônticos. "Muitos pacientes que hoje têm entre 60 e 70 anos estão em plena atividade produtiva, social e amorosa. E por que não estar só com a saúde bucal em dia, mas também confiante e confortável com seu próprio sorriso? Manter a autoestima em dia e a alegria de sorrir sem restrições é extremamente saudável, inclusive na chamada terceira idade", comenta Flávia Machado.

De acordo com Luciane, há alguns vilões que podem prejudicar o sorriso com o avançar da idade. "O açúcar é um dos principais inimigos em qualquer idade. Na terceira idade, porém, com a diminuição da saliva, esse pode ser ainda um inimigo mais perigoso. Outro problema é a perda da coordenação motora, dificultando uma higienização eficaz", finaliza.

9 dicas para ter dentes bonitos depois dos 60 anos

  • Escovar os dentes pelo menos 3 vezes ao dia
  • Higienizar a língua e mucosas
  • Usar escova macia ou extra macia
  • Usar fio dental
  • Ir ao dentista regularmente
  • Se tiver dentes sensíveis, usar creme dental apropriado indicado pelo seu dentista
  • Se sofrer de xerostomia (boca seca), o cirurgião dentista poderá recomendar métodos para manter a boca mais úmida
  • Higienizar rigorosamente as próteses dentárias
  • Observar lesões na cavidade oral principalmentese a lesão durar mais de 7 dias

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde idosos Saúde Dentista

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.