ASSINE
Colunista de Famosos

Quarentena: modelo capixaba na China é monitorada com sensor

Beatriz Schwan, de 23 anos, ficou sob observação por 24h antes de ficar de quarentena em sua casa em Xangai, na China; modelo do Espírito Santo não tem Covid-19

Publicado em 31/03/2020 às 06h00
Atualizado em 31/03/2020 às 06h00
A modelo capixaba Beatriz Schwan
A modelo capixaba Beatriz Schwan. Crédito: Arquivo pessoal

Beatriz Schwan, de 23 anos, testou negativo para o novo coronavírus assim que aterrissou em Xangai, na China, há 14 dias. Mesmo com o resultado do exame para a Covid-19 mostrando que a capixaba estava saudável, o governo a obrigou a ficar de quarentena e instalou até um sensor na porta de sua casa.

“Toda vez que abro a porta, até mesmo para o funcionário recolher o lixo, eu tenho que avisar em um grupo que eu vou abrir, porque eles (os médicos) são notificados que eu abri a porta”, contou, em bate-papo exclusivo com a coluna.

Na noite deste domingo (29), no Brasil, quando já era manhã de segunda (30) na China, a modelo natural de Cachoeiro de Itapemirim, Sul do Espírito Santo, detalhou o porquê de tanto protocolo em torno da pandemia do novo coronavírus.

OS PASSOS DE BEATRIZ

Durante o ano de 2019 inteiro, a modelo agenciada pela Andy Models esteve na Ásia. No segundo semestre, já estava morando na China – onde vive atualmente.

Em novembro, ela decidiu visitar o Brasil, já com passagem de volta para a China comprada. Ela não chegou a enfrentar o surto da infecção em Xangai já que voltou apenas neste mês, e conseguiu "fugir" da onda de casos confirmados da Covid-19 entre brasileiros.

“Mas fiz uma escala em Frankfurt, na Alemanha. Quando cheguei à China, por ter passado pela Europa, fiquei cinco horas no avião tendo a temperatura medida, preenchendo formulário e sendo monitorada assim como os outros passageiros”, frisou.

Beatriz Schwan

Modelo

"De Vitória para São Paulo, eu já fui usando máscara. Dali para frente, as comissárias de bordo já estavam todas equipadas com óculos, máscara e luvas. No voo para a China, de 10h, não serviram nem comida. Só um muffin"

Beatriz lembra que, em seguida, foi encaminhada para uma quadra escolar, no bairro em que mora, e foi submetida ao teste para o novo coronavírus – que deu negativo. “Mesmo assim, eles me encaminharam para casa e fui orientada a ficar isolada. Médicos estão vindo à minha casa me monitorar diariamente. (A China) está bem organizada. É exaustivo, mas a gente sabe que é necessário”, concluiu.

Coronavírus: modelo capixaba mostra ruas vazias na China

A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento. Beatriz Schwan/Coluna Pedro Permuy
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento. Beatriz Schwan/Coluna Pedro Permuy
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento. Beatriz Schwan/Coluna Pedro Permuy
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento. Beatriz Schwan/Coluna Pedro Permuy
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento
A modelo capixaba Beatriz Schwan, que mora em Xangai, na China, mostra ruas da cidade vazias da vista de seu apartamento

WENDEL CHENKEL: MODELO DE QUARENTENA NA RÚSSIA

O modelo capixaba Wendel Chenkel
O modelo capixaba Wendel Chenkel. Crédito: Arquivo pessoal

Natural de Castelo, Sul do Espírito Santo, Wendel Chenkel, de 23 anos, é outro modelo capixaba que fez carreira internacional que está de quarentena – mas em Moscou, na Rússia.

Ele, que também passou parte de seu 2019 na China, avalia que a situação na capital russa começou a piorar nas últimas semanas.

“No início, não estavam tendo casos, estava tudo normal. Agora, só farmácias, supermercados e unidades de saúde que estão abertos. Os outros trabalhos foram todos paralisados”, relatou, em entrevista a este colunista.

Wendel falou ainda que a situação de isolamento deve ficar mais crítica na Rússia a partir dos próximos dias, já que na última semana o Aeroporto de Moscou foi fechado. “Agora, a gente não tem opção, tem que ficar e não pode sair. Mas é a melhor forma de enfrentar. Temos que ficar em casa, calmos, esperando esse momento passar”, opinou.

O modelo capixaba Wendel Chenkel
 . Crédito: Arquivo pessoal

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.