ASSINE
Mariana Reis é administradora de empresas e educadora física. É pós-graduada em Gestão Estratégica com Pessoas e em Prescrição do Exercício Físico para Saúde. Atua como consultora em acessibilidade e gestora na construção e efetivação das políticas públicas para a pessoa com deficiência em Vitória

Com educação, sai da nossa frente

Mergulho aqui é de cabeça na ignorância, na ausência de propostas relevantes, no autoritarismo e na mediocridade que o Ministro da Educação nos joga cada vez que se manifesta

Publicado em 17/08/2021 às 02h00
sala de aula; criança; máscara; aluno; estudante
Para muito além de um papel profissional, ter uma carreira, ter um lugar onde conseguimos exercer nossa potência de vida, é quando nos tornamos inteiros e felizes. Crédito: Freepik

Atrapalhar. Verbo que pode ser transitivo direto, indireto e intransitivo. Que pode ser um obstáculo, pode perturbar, estorvar, impedir. "As tolices do Ministro atrapalham meus estudos.” Que pode significar: agir de maneira inoportuna, impedindo ações de alguém. “Não atrapalhe os estudos da pessoa com deficiência.”

Poderíamos mergulhar profundamente num texto sobre a regência dos verbos que a nossa língua portuguesa nos permite, mas o mergulho aqui é de cabeça na ignorância, na ausência de propostas relevantes, no autoritarismo e na mediocridade que o Ministro da Educação nos joga cada vez que se manifesta.

Constato indignada o que ouvi e confesso que me senti ultrajada diante da fala mais uma vez infeliz e com efeito dilacerante em meu coração: de que “crianças com deficiência atrapalham na sala de aula”. Tão ignorante quanto iletrado, a frase é um incentivo à brutalidade e me pareceu ainda que o Ministro não tem preparo algum para a gestão em Educação, e muito menos sabe algo sobre o movimento das pessoas com deficiência.

Diante de tanta grosseria, ódio, preconceitos, desrespeito e principalmente, pelas ações alheias à educação, resolvi trazer aqui e prestar uma homenagem a alguns dos muitos colegas e profissionais que um dia, quando crianças com deficiência, passaram pelas salas de aulas e hoje prestam um serviço imensurável a sociedade do Brasil e do mundo.

Adriana Dias - deficiência física: antropóloga, mestre e doutora em Antropologia Social pela Universidade de Campinas. 

Anahi Guedes de Mello – deficiência auditiva: mestre e doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Décio Guimarães - deficiência visual: doutor e mestre em Cognição e Linguagem pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro e professor do Instituto Federal Fluminense.

Douglas Christian Ferrari - deficiência visual: doutor em educação no programa de pós-graduação em Educação pela Ufes.

Éder Pires de Camargo - deficiência física: formado em Física, mestre, doutor e pós-doutor.

Elaine de Oliveira Souza Fonseca - deficiência visual: enfermeira, mestre e doutoranda em Enfermagem e Saúde na UFBA.

Ligia Assumpção Amaral – deficiência física: mestre e doutora em Psicologia Social.

José Augusto Reis Almeida - deficiência visual: engenheiro agrônomo, mestre em Ciências Agrárias.

Ricardo Tadeu da Fonseca – deficiência física e visual: juiz e desembargador do Tribunal Regional do Trabalho do estado do Paraná.

Citei alguns exemplos de pessoas que conseguiram enfrentar não apenas os desafios do conhecimento, mas todas as barreiras sociais e culturais para chegar onde estão. Iguais a eles, temos milhares trilhando o caminho para a auto-realização. Porque é disso que trata. Para muito além de um papel profissional, ter uma carreira, ter um lugar onde conseguimos exercer nossa potência de vida, é quando nos tornamos inteiros e felizes. A trilha do aprendizado é construída com a nossa vontade, com o acesso à escola, com professores capazes e dispostos, que reconhecem as diferenças e nos tratam como iguais, que incentivam e fortalecem os nossos objetivos.

Diferenças não são problemas, são oportunidade para desenvolver e ampliar a visão de mundo. Visão essa que o Ministro da Educação insiste em mostrar que não tem. A diversidade humana oportuniza a convivência de todas as crianças. Não venha com seu retrocesso atrapalhar nosso progresso.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.