ASSINE
Mariana Reis é administradora de empresas e educadora física. É pós-graduada em Gestão Estratégica com Pessoas e em Prescrição do Exercício Físico para Saúde. Atua como consultora em acessibilidade e gestora na construção e efetivação das políticas públicas para a pessoa com deficiência em Vitória

Escolas preparadas para quem?

Desta vez vai ser preciso driblar a incapacidade dos gestores em classificar deficiência como doença, deixando facultativo a volta para a escola como todos os outros alunos sem deficiência

Publicado em 03/08/2021 às 02h00
aula -aluno - ensino - distancia - escola - curso
Acolher os sentimentos depois de tudo que o mundo está vivendo deverá ser primordial para os próximos passos que serão dados a seguir. Crédito: @ijeab/Freepik

A semana começa com uma experiência que acontece muitas vezes na vida de um estudante, mas desta vez não será da mesma forma como quando retornavam das férias: a volta às aulas de forma presencial. A pandemia marca esse retorno com vivências e sentimentos que podem ter deixado muitos impactos negativos, tanto na aprendizagem como também no aspecto socioemocional.

Se por um lado o isolamento e o distanciamento social marcaram de forma incontestável a vida, os estudantes com deficiência continuam suas atividades reforçadas pela invisibilidade na educação inclusiva. Desta vez vai ser preciso driblar a incapacidade dos gestores em classificar deficiência como doença, deixando facultativo a volta para a escola como todos os outros alunos sem deficiência.

Acolher os sentimentos depois de tudo que o mundo está vivendo deverá ser primordial para os próximos passos que serão dados a seguir. Acolher o sentimento da exclusão em não poder estar na escola parece ser tarefa que os gestores querem manter isolada ainda.

No conflito do direito, ou seja, o direito à educação e o direito à vida, o segundo prevalece sobre o primeiro. E acredito que, numa pandemia, que ainda nos cerca, é sobre isso que estamos falando. Portanto, diante de todas as preparações para esse retorno, que é importante, não encontro nenhuma justificativa para que os estudantes com deficiência permaneçam em casa, já que os outros estudantes estão convocados a voltar.

Direitos iguais e vidas salvas

O luto de pessoas próximas, pelo qual as crianças e jovens passaram precisarão de uma atenção especial. E para as crianças com deficiência? E as mudanças de rotinas que ocorreram em suas vidas, na família e na dos seus cuidadores, a escola não está preocupada? Por que separar essa readaptação à escola com todos os outros alunos sem deficiência?

Mesmo em circunstâncias normais, as pessoas com deficiências (na história) têm menos acesso à educação, a assistência médica, a oportunidades de trabalho e à participação nas suas comunidades. Porém, a pandemia agravou as desigualdades e gera novas ameaças, uma vez que, as pessoas com deficiências estão entre as mais afetadas por esta crise. Em mortalidade, por exemplo.

Inclusão às avessas pode ser danoso

O retorno é um passo muito importante e que estávamos aguardando com esperança, mas num momento em que temos uma nova variante nos rondando e em que apenas 20% da população brasileira vacinou com a segunda dose, deixar os estudantes com deficiência fora das escolas soa como uma medida intempestiva e de fácil tomada de decisão, não é? Adequar o aprendizado, desenvolver habilidades afetivas, reorganizar as matérias, e reordenar os objetivos, todo esse planejamento deve ser pensado incluindo e não escolhendo quem estará sentado na carteira. Se a educação é coletiva, por que uns voltam e outros não? Ou voltam todos ou posso entender que a justificativa significa exclusão e falta de preparo das escolas em atender as diferenças.

Minha torcida é para que a volta às aulas traga sentimento de segurança, e que todos possam criar estratégias para a recuperação da vida e da aprendizagem. Que disponibilizem meios tecnológicos e continuem seguindo em direção ao encontro dos recursos que complementam esse processo sem esquecer que a convivência com a diversidade trará muitas respostas.

Que os gestores trabalhem nas melhorias das escolas, na formação dos professores, nos níveis de aprendizagem, pois essas são as atitudes inteligentes e eficazes que espero. Do contrário, a educação continuará cruel com aqueles que não têm acesso ou têm acesso com dificuldade.

Colocar as pessoas com deficiência no centro das suas respostas à Covid-19, dos seus planos de retorno e recuperação, consultando e envolvendo todas elas, é a mensagem que diria baixinho nos ouvidos dos gestores e, claro, traduzida em libras.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Acessibilidade

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.