ASSINE
É jornalista e tem um olhar atento sobre comportamento, arte, relacionamentos e lifestyle. Compartilha as suas ideias sempre com a intenção de criar ambientes favoráveis ao desenvolvimento das pessoas

O presente que marca

Presente bom não é o mais caro. Você pode ganhar algo caríssimo, mas que não tem a 'sua cara'

Publicado em 06/08/2021 às 15h44
Homem com caixa de presente
Tudo é questão de sensibilidade e só acerta quem nos conhece bem. Crédito: KIENGCAN/ Freepik

Para dar um presente interessante a alguém, deve-se ter essa pessoa em nossa memória e também “pensar com a cabeça dela”, isto é, sair de si para encontrar o outro. Presente bom não é o mais caro. Você pode ganhar algo caríssimo, mas que não tem a 'sua cara'.

Um passeio interessante, um pen drive com as músicas preferidas ou um estilo musical que você saiba que agradará, tem tudo para ser marcante.

Um buquê de flores, um chocolate ou um livro, uma ligação ou um beijo pode ser o presente perfeito para um momento.

Tudo é questão de sensibilidade e só acerta quem nos conhece bem. Por exemplo, não é só questão de dar um chocolate, mas sim o chocolate certo.

Sim, podemos errar no presente, mas quem nos conhece perceberá quando tentarmos de verdade. É diferente do presente dado apenas por “obrigação”.

Até a próxima!

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Comportamento

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.