É jornalista e tem um olhar atento sobre comportamento, arte, relacionamentos e lifestyle. Compartilha as suas ideias sempre com a intenção de criar ambientes favoráveis ao desenvolvimento das pessoas

"Não estou reconhecendo de máscara"

Não saber como reagir sem poder dar um abraço ou aperto de mão e não reconhecer rostos mascarados pode ser embaraçoso, mas veja isso com naturalidade, faz parte do “novo normal”

Publicado em 25/10/2020 às 06h00
Atualizado em 25/10/2020 às 06h01
O tradicional aperto de mão foi trocado pela saudação feita com os cotovelos
O aperto de mão, os dois beijinhos e os abraços demonstravam a nossa satisfação com os encontros. Hoje não estamos sabendo à medida certa. Crédito: Freepik

Estamos voltando ao convívio social e nos sentindo um pouco perdidos quanto a maneira correta de nos relacionarmos. Muitos sentem grande dificuldade em reconhecer algumas pessoas com as suas máscaras e passam por algumas situações constrangedoras. Vejo isso com muita naturalidade, faz parte do “novo normal”. Máscaras nos confundem, escondem partes determinantes das características físicas do rosto e, é justamente nele que está a primeira identificação que temos do outro. Na dúvida, o melhor é dizer o seu nome e confirmar a identidade da pessoa.

Lembrando também das maneiras de cumprimentos, antes da pandemia o aperto de mão, os dois beijinhos e os abraços demonstravam a nossa satisfação com os encontros. Hoje não estamos sabendo à medida certa para demonstrar tais sentimentos. Todos confusos... E isso é normal. Nesse novo estilo de vida, a segurança também é uma demonstração de afeto. Mantenha a postura escolhida por você e respeite o comportamento do outro.

Se alguém lhe estender a mão e você não quiser retribuir, juntar as suas mãos em forma de agradecimento e fazer uma inclinação com a cabeça demonstrando reverencia pode ser uma boa forma de comunicação... Já estamos nos acostumando com os acenos. Dizer boas palavras e uma boa entonação na voz faz a diferença e pode ser uma forma do “novo abraço”, por enquanto.

Até a próxima!

Fique bem opinião

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.