ASSINE
É Fisioterapeuta, acupunturista e especialista em avaliação e tratamento de dor crônica pela USP. Entende a saúde como um estado de equilíbrio para lidar com as adversidades da vida de forma mais harmônica

A saúde permeia a boca

É importante escolher bem que tipo de alimentos colocamos na boca, em quantidade e qualidade, temperatura e preparo, pois isso afetará diretamente a saúde do estômago

Publicado em 18/10/2021 às 13h53
Mulher com mão na boca
A boca é porta de entrada, canal de saída, ponte para outros órgãos. Crédito: jannoon028 / Freepik

A boca é a maior cavidade do corpo que tem contato com o meio externo. É porta de entrada, canal de saída, ponte para outros órgãos. A sabedoria oriental faz a observação da natureza e entende a importância da moderação e do cuidado com a região. Pela boca entram os alimentos e saem as palavras. Nada pode ser excessivo.

De acordo com a medicina tradicional chinesa, o coração se abre na língua, manifestando-se na fala. Coincidentemente, ou não, quando alguém fala sobre si, dizemos que este “abre o coração”. Fazendo um paralelo com questões ocidentais, temos muitos casos de endocardites bacterianas que ocorrem por alguma infecção bucal que invade a corrente sanguínea e afeta o coração.

Nas gengivas temos as manifestações do estômago, e percebemos sua atividade quando há mau hálito e aftas. É importante escolher bem que tipo de alimentos colocamos na boca, em quantidade e qualidade, temperatura e preparo, pois isso afetará diretamente a saúde do estômago. Igualmente importante, é selecionar que tipo de situações engolimos e o tanto que buscamos digerir, uma vez que não somos seres ruminantes.

Os dentes, considerados extensões dos ossos pela medicina chinesa, são cuidados pelos rins e transportando para o conhecimento ocidental, observa-se maior prevalência de erosão dentária e caries em doentes renais crônicos, além dos distúrbios minerais ósseos associados a retenção de fósforo, diminuição de cálcio e deficiência de vitamina D.

Este vídeo pode te interessar

O cuidado com o que comemos, a ternura com o que falamos, os sapos que engolimos, as emoções que ressentimos e não regurgitamos, os sorrisos que escancaramos ou timidamente deixamos escapar, tudo é observação da natureza e permeia a boca. Escolhas sábias e atenção aos cuidados podem garantir saúde.

Como dizem os ensinamentos chineses, “Você estará protegido se estiver amável; será amável se estiver tranquilo; estará tranquilo se estiver saudável.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Saúde

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.