ASSINE
Golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) pode ser visto ao longo de todo o ano no litoral do Espírito Santo
Golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) pode ser visto ao longo de todo o ano no litoral do Espírito Santo. Crédito: Divulgação | Projeto Amigos da Jubarte

As cinco principais espécies de golfinhos que vivem no ES

O boto-cinza é o mais comum de ser visto nas praias. Já a toninha vive em uma área do Norte e corre risco de ser extinta. Método criado na Ufes ajuda na observação desses animais

Tempo de leitura: 8min
Vitória
Publicado em 09/02/2022 às 20h06

Não são raros os registros de golfinhos nadando próximos às praias do litoral do Espírito Santo: eles já deram o (m)ar da graça em Vila VelhaMarataízes e Piúma, por exemplo. Isso acontece porque esses animais vivem na costa capixaba e, com um pouco de sorte, podem ser avistados em qualquer época do ano.

Considerando todos os rios e oceanos, já foram registradas 92 espécies, das quais 47 também verificadas no Brasil e 15 no Estado. A presença delas depende de inúmeros fatores, desde antropológicos, como pesca e poluição química, até ecológicos, como oferta de alimentos e temperatura da água.

No entanto, o comportamento desses cetáceos tem papel fundamental para eles serem avistados: quanto mais costeiro, mais fácil de ser visto. É o caso do boto-cinza (Sotalia guianensis) e do golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) — que ficou famoso no filme Flipper (1963), refilmado na década de 1990.

Golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) nadando nas águas capixabas
Golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) nadando nas águas capixabas. Crédito: Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte

Coordenador do Projeto Golfinhos do Brasil, o ambientalista Thiago Ferrari explica que a locomoção do nariz-de-garrafa está muito associada à alimentação e, por isso, esses golfinhos fazem pequenas migrações atrás de cardumes. Já a do boto-cinza é restrita a uma área geográfica menor e tem um habitat mais bem definido.

Thiago Ferrari

Coordenador do Projeto Golfinhos do Brasil

"Por volta das 5 horas, tem um grupo (de gofinhos) que gosta de se alimentar nas Ilhas Itatiaia, em Vila Velha. Há concentrações também nas proximidades do Porto de Tubarão, em Manguinhos (Serra), e nas Três Ilhas, em Guarapari"

O mapeamento dos golfinhos no Espírito Santo, porém, começou de forma experimental apenas em 2014 e só se tornou sistemático quatro anos depois. Em outros locais, pesquisas similares já duram mais de 10 ou 20 anos. Respostas claras sobre esses animais somente são obtidas a longo prazo. 

Golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) no litoral do Espírito Santo
Golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) no litoral do Espírito Santo. Crédito: Projeto Amigos da Jubarte | Luan Amaral

"O trabalho feito permite ter uma ideia de biogeografia (onde estão localizados), composição social (como se comportam e organizam), padrões comportamentais (habitat e alimentação) e dados de abundância e riqueza, no que diz respeito à população e saúde desses indivíduos", explica Thiago.

Segundo o ambientalista, indícios apontam que o golfinho-nariz-de-garrafa seja o mais numeroso na costa capixaba. Por outro lado, o boto-cinza se mostra bastante comum, mas sofre com uma lacuna de conhecimento no Estado, que já chegou a ser abordada na Comissão Internacional das Baleias (CIB).

Golfinho nada ao lado de uma baleia Jubarte, no litoral do Espírito Santo
Golfinho nada ao lado de baleia-jubarte, no litoral do Espírito Santo. Crédito: Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte

"A pesquisa é importante pela educação ambiental e para complementar o turismo, que gera emprego e renda de forma sustentável. É a melhor forma de conservação, porque só protegemos o que conhecemos", defende o pesquisador.

DESTAQUE: CINCO ESPÉCIES DE GOLFINHOS PRESENTES NO ES

Além do golfinho-nariz-de-garrafa e do boto-cinza, destacam-se outras três espécies que habitam as águas capixabas: o golfinho-pintado-do-atlântico (Stenella frontalis), o golfinho-de-dentes-rugosos (Steno bredanensis) e a toninha (Pontoporia blainvillei) — o mamífero mais ameaçado do Atlântico.

Um golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) flagrado no mar do Espírito Santo
Um golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) flagrado no mar do Espírito Santo. Crédito: Joarley Rodrigues | Projeto Amigos da Jubarte

Em comum, eles têm uma gestação que dura 11 meses, de um filhote por vez. Como qualquer mamífero, os golfinhos possuem um período de amamentação após nascer, permanecendo junto da mãe por cerca de um ano. Em geral, todos se alimentam de peixes e pequenos moluscos, como lulas.

Coordenadora técnica e científica do Projeto Golfinhos do Brasil, a mestre em Oceanografia Ambiental Amanda Giacomo elencou as principais características e curiosidades referentes a cada uma das espécies que vivem no Espírito Santo, onde não há cetáceos exclusivos de água doce. Confira:

Grupo de três indivíduos da espécie Tursiops truncatus, popularmente conhecida como golfinho-nariz-de-garrafa
Grupo de três indivíduos da espécie Tursiops truncatus, popularmente conhecida como golfinho-nariz-de-garrafa. Crédito: Projeto Amigos da Jubarte | Leonardo Merçon
Grupo de golfinhos-de-dentes-rugosos (Steno bredanensis) nadando no mar da Grande Vitória
Grupo de golfinhos-de-dentes-rugosos (Steno bredanensis) nadando no mar da Grande Vitória. Crédito: Projeto Amigos da Jubarte | Joarley Rodrigues
Grupo da espécie Stenella frontalis, conhecida como golfinho-de-dentes-rugosos
Grupo da espécie Stenella frontalis, conhecida como golfinho-de-dentes-rugosos. Crédito: Estênio Martins

Justamente pela situação de ameaça e devido ao empenho realizado para proteger a toninha, que os pesquisadores possuem dados sobre a população, que conta com poucas centenas de exemplares. Concentrados em uma área pequena, qualquer problema antrópico ou ambiental poderia dizimá-los.

"Há basicamente quatro grupos, divididos após um estudo genético. O do Espírito Santo é isolado geograficamente e quase inviável de sobreviver por muito tempo", lamentou Amanda, que informou que a espécie é classificada como criticamente em perigo pelo Ministério do Meio Ambiente.

Golfinhos dão show no litoral do ES

Três golfinhos parecem nadar na nossa direção
Três golfinhos parecem nadar na nossa direção. Leandro Coradini | Projeto Amigos da Jubarte
Imagens de golfinhos dão um show à parte na beleza natural capixaba
Imagens de golfinhos dão um show à parte na beleza natural capixaba. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinho
Golfinho "dá as caras" para pesquisadores capixabas. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinhos nadam ao lado de uma baleia Jubarte, no litoral de Vitória, no Espírito Santo
Golfinhos nadam ao lado de uma baleia Jubarte, no litoral de Vitória, no Espírito Santo. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
A poucos metros do barco: golfinho salta e dá um show de beleza
A poucos metros do barco: golfinho salta e dá um show de beleza. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Grupo de botos-cinza (Sotalia guianensis) no litoral capixaba
Grupo de botos-cinza (Sotalia guianensis) no litoral capixaba. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Enquanto nadam, golfinhos podem aparecer na superfície do mar
Enquanto nadam, golfinhos podem aparecer na superfície do mar. Leandro Coradini | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinhos fizeram quase um nado sincronizado no mar do ES
Golfinhos fizeram quase um nado sincronizado no mar do ES. Sandro Firmino | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinho salta bem na frente de embarcação com pesquisadores capixabas
Golfinho salta bem na frente de embarcação com pesquisadores capixabas. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Na imagem é possível ver dois exemplares do golfinho-pintado-do-atlântico (Stenella frontalis)
Na imagem é possível ver dois exemplares do golfinho-pintado-do-atlântico (Stenella frontalis). Estênio Martins
Até para quem está
Até para quem está "acostumado" a ver golfinhos, esses cetáceos encantam. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinhos passam bem perto de embarcação utilizada por pesquisadores no Espírito Santo
Golfinhos passam bem perto de embarcação utilizada por pesquisadores no Espírito Santo. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Trio de golfinhos nadou pertinho de expedição de pesquisadores capixabas
Trio de golfinhos nadou pertinho de expedição de pesquisadores capixabas . Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Grupo de seis golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) é flagrado nadando no mar da Capital capixaba
Grupo de seis golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) é flagrado nadando no mar da Capital capixaba. Divulgação | Projeto Amigos da Jubarte
Você reparou? A barriga branca da baleia jubarte a poucos metros de onde está o golfinho
Você reparou? A barriga branca da baleia jubarte a poucos metros de onde está o golfinho. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
A poucos metros de distância, pesquisadores tiveram o privilégio de ver golfinho nadar ao lado de uma baleia Jubarte
A poucos metros de distância, pesquisadores tiveram o privilégio de ver golfinho nadar ao lado de uma baleia Jubarte. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinhos nadam do lado de embarcação do Projeto Amigos da Jubarte
Golfinhos nadam do lado de embarcação do Projeto Amigos da Jubarte. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinhos têm o costume de viverem em grupos
Golfinhos têm o costume de viverem em grupos. Leandro Coradini | Projeto Amigos da Jubarte
Na foto, é possível ver um golfinho ferido e preso a uma rede de pesca: essa é uma das grandes ameaças antrópicas a esses animais
Na foto, é possível ver um golfinho ferido e preso a uma rede de pesca: essa é uma das grandes ameaças antrópicas a esses animais. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Três golfinhos nadam a poucos metros de uma baleia Jubarte, no litoral do Espírito Santo
Três golfinhos nadam a poucos metros de uma baleia Jubarte, no litoral do Espírito Santo. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Saltos dos golfinhos encantam até quem frequentemente os avista a trabalho
Saltos dos golfinhos encantam até quem frequentemente os avista a trabalho. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Trio de golfinhos nada no mar do ES
Trio de golfinhos nada no mar do ES. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
O golfinho-pintado-do-atlântico (Stenella frontalis) não é tão frequentemente avistado no ES, quanto o boto-cinza e o golfinho-nariz-de-garrafa
O golfinho-pintado-do-atlântico (Stenella frontalis) não é tão frequentemente avistado no ES, quanto o boto-cinza e o golfinho-nariz-de-garrafa. Estênio Martins
Golfinho foi flagrado com a nadadeira dorsal machucada
Golfinho foi flagrado com a nadadeira dorsal machucada. Karen Bof | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinhos interagem nas águas capixabas
Golfinhos interagem nas águas capixabas. Leonardo Merçon | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba. Karen Bof | Projeto Amigos da Jubarte
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba
Golfinho nadando na superfície do mar capixaba

ESTUDO DE GOLFINHOS: MÉTODO DESENVOLVIDO NO ES

Devido à ausência de informações sobre o boto-cinza no Estado, o Projeto Golfinhos do Brasil passou a trabalhar especialmente focado na espécie. Porém, independentemente dela, os estudos sobre os demais cetáceos continuam e, de maneira geral, se utilizam de quatro principais metodologias:

  • Bordo tradicional: observação feita a partir de uma embarcação no mar;
  • Observação em ponto fixo: destinada aos golfinhos mais costeiros, feita a partir das praias;
  • Monitoramento Acústico Passivo (MAP): hidrofone que capta o som de cada espécie, emitido em uma frequência particular, por meio da qual é possível identificar o animal e estimar a quantidade de indivíduos a mais de 30 km de distância;
  • Dronemonitoramento: lançamento e varredura feita por drone a partir de uma embarcação no mar.

O destaque vai para o último método, que tem DNA 100% capixaba. Desenvolvido pelo Laboratório de Nectologia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), ele foi adaptado para ser feito a partir do mar e pode varrer uma área de até 5 km, coletando imagens com resolução em 4K.

Utilizado no Projeto Golfinhos do Brasil, o método parte de cerca de 15 pontos pré-definidos no mar, em um polígono de pesquisa que compreende da Serra a Guarapari, a uma distância máxima de 20 milhas da costa — ou seja, todo o talude, até a queda da plataforma continental.

Área de atuação do Projeto Golfinhos do Brasil é incluída dentro da linha azul turquesa
Área de atuação do Projeto Golfinhos do Brasil é incluída dentro da linha azul turquesa. Crédito: Divulgação | Projeto Golfinhos do Brasil

Antes, as observações eram feitas diretamente pelo olhar humano, que podia contar, no máximo, com um binóculo. "Não tem comparação. O drone consegue ver de cima. Conseguimos ter certeza da espécie e do que ela está fazendo em poucos minutos", comemora o cocriador do método e professor Agnaldo Silva Martins.

Os primeiros testes começaram em 2018, em um monitoramento sobre os impactos dos rejeitos de minério em Regência, no município de Linhares. Durante esse trabalho, encontrou-se a altura e a velocidade de voo ideais para este tipo de pesquisa. "Já vimos golfinhos se alimentando, caçando e mãe brincando com filhote", conta.

Dois indivíduos da espécie Tursiops truncatus (golfinho-nariz-de-garrafa) mergulhando
Dois indivíduos da espécie Tursiops truncatus (golfinho-nariz-de-garrafa) mergulhando. Crédito: Karen Bof | Projeto Amigos da Jubarte

"Decolar de um barco é muito mais complexo. O risco de perder o drone ou de um acidente é muito grande. Não é qualquer piloto que consegue. Fora que temos que achar o animal no mar. Nem sempre damos sorte ou conseguimos chegar até ele. E, às vezes, quando conseguimos, ele mergulha e some", relata o professor.

Em fevereiro de 2021, o método foi publicado em uma revista científica internacional e, no mesmo ano, já estava sendo "muito consultado", segundo Agnaldo, somando centenas de acessos em poucos meses.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo UFES Oceanografia Capixapédia Biologia Marinha

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.