ASSINE

A história macabra do 1° preso psiquiátrico do Brasil que fez vítimas no Sul do ES

De acordo com historiador, duas crianças em Mimoso do Sul foram vítimas de Febrônio Índio do Brasil, que se passou por médico. Assassino, nacionalmente conhecido, chocou sociedade na década de 1920

Tempo de leitura: 3min
Cachoeiro de Itapemirim / Rede Gazeta
Publicado em 27/05/2022 às 07h40
Febrônio índio do Brasil tatuou no peito e se auto intitulava “Filho da Luz”
Febrônio Índio do Brasil tatuou no peito “Filho da Luz”. Crédito: Reprodução/Medialab.ufrj

O ano era 1926 e desembarcava na estação ferroviária de Mimoso do Sul Febrônio Índio do Brasil, um dos assassinos mais famosos do país. Para os moradores da cidade da Região Sul do Espírito Santo, se apresentava como Doutor Bruno Ferreira Gabina e, com a falsa identidade, duas crianças morreram durante sua breve estadia no Estado.

Naquela época, segundo o historiador Renato Pires Mofati, o interior era carente em profissionais de saúde e o falso médico não teve problemas para sustentar seu disfarce. De acordo com Mofati, as crianças teriam morrido por terem usado medicação errada, prescrita pelo falso médico. O nome Bruno Ferreira Gabina, segundo pesquisadores, ele tomou de um dentista com quem trabalhou e desapareceu misteriosamente. 

Renato Mofati

Historiador

"Não se sabe a identidade dessas vítimas de Mimoso do Sul, pois moravam no interior e não havia uma boa comunicação, registros. Mas, na cidade, Febrônio, se passando por médico, morou dois meses na Rua Newton Prado, atrás do atual ginásio municipal. Ficava por pouco tempo nos locais"

De acordo com a pesquisa do historiador, Febrônio deixava a marca de sangue por onde passava. Após sua breve passagem pelo Sul do Estado, voltou a tomar o trem e foi para o Rio de Janeiro, onde ficou definitivamente.

“Ele iniciou seus crimes a partir de 1917, com a arrogância de um psicopata, compulsivo, sádico, inteligente e adorava criar personagens para si mesmo. Seus disfarces, com as investigações, foram pouco a pouco descobertos: caseiro, gerente de hotel, mascate viajante, dentista, barbeiro, policial, médico, conselheiro espiritual, entre outros”, conta o historiador mimosense.

Segundo historiador Renato Mofati, dois moradores de Mimoso do Sul foram vítimas do assassino
Segundo historiador Renato Mofati, duas crianças de Mimoso do Sul foram vítimas do assassino . Crédito: Henrique Mofati

FILHO DA LUZ

Nascido em São Miguel de Jequitinhonha, Minas Gerais, Febrônio Índio do Brasil é um dos mais famosos casos de loucura na história do Judiciário brasileiro, registrado na década de 1920, no Rio de Janeiro. De acordo com reportagem do jornal A Gazeta de 2004, ele foi acusado de abusar sexualmente e tatuar, com frases místicas, dez jovens. Em uma de suas 37 detenções, Febrônio tatuou a frase “Eis o Filho da Luz”, no próprio tórax. Ele acreditava ter a missão de purificar outros jovens.

NOME CHEGOU A SER PROIBIDO EM CARTÓRIOS 

Seus crimes causaram comoção e a vida do assassino sempre gerou curiosidade de pesquisadores. O nome Febrônio era tão temido na época a ponto dos cartórios e da Igreja Católica proibirem os pais de registrar ou batizar filhos com o nome.

O assassino até escreveu um livro - “Revelações do Príncipe do Fogo” - obra com uma prosa apocalíptica, de caráter místico. A personalidade dele fascinou alguns escritores do movimento modernista de 1922, principalmente, Mário de Andrade, que tinha um exemplar do livro em sua biblioteca. 

O psiquiatra Heitor Carrilho, depois de analisar o comportamento de Febrônio durante dois anos, opinou pela sua internação no Manicômio Judiciário do Rio de Janeiro. Considerado o primeiro preso psiquiátrico do país, segundo pesquisa do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Febrônio viveu na instituição até 1984, quando faleceu aos 89 anos, vítima de enfisema pulmonar. Ele ficou preso por 57 anos. 

HISTÓRIA FOI CONTADA EM PROGRAMA DA TV GLOBO 

Em 25 de novembro de 2004, o programa "Linha Direta - Justiça", da TV Globo, contou a história do Febrônio Índio e o tema foi destaque no jornal A Gazeta do mesmo dia. 

Caderno Dois  de A Gazeta, no dia 25 de novembro de 2004. Crédito: Reprodução/ A Gazeta
Caderno Dois de A Gazeta, no dia 25 de novembro de 2004. Crédito: Reprodução/ A Gazeta

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.