ASSINE

Preso suspeito de envolvimento no sumiço de indigenista e jornalista no AM

Homem conhecido como "Pelado", que já havia sido interrogado pela polícia como suspeito do desaparecimento, foi encontrado com munição de uso restrito

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 08/06/2022 às 14h57
O jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo Pereira, que desapareceram no Vale do Javari, na Amazônia
O jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo Pereira, que desapareceram no Vale do Javari, na Amazônia. Crédito: Redes sociais/ Reprodução

Um suspeito de envolvimento no desaparecimento do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira foi preso em flagrante na terça-feira (7), de acordo com o procurador jurídico da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), Eliesio Marubo.

Em entrevista à Rádio Eldorado nesta quarta-feira (8), Marubo afirmou que o suspeito chama-se Amarildo, conhecido como "Pelado", o mesmo que já havia prestado depoimento à polícia na terça-feira. A Polícia Civil do Amazonas confirma a prisão em flagrante por posse de munição de uso restrito, mas ainda não trata da relação dele com o desaparecimento, informa apenas que a conexão ainda será apurada. Como mostrou o Estadão, "Pelado" já havia sido interrogado como suspeito no caso.

Segundo Marubo, há "uma vasta quantidade de provas" contra o detido, que teria relação com pescadores e caçadores da região. "Ainda estamos tentando buscar informações para esclarecer de que maneira e que grau de interesse ele possuiria nesse caso", afirmou.

O homem vive na comunidade de São Rafael, conhecida pela forte influência de garimpeiros, caçadores, pescadores e traficantes de drogas. A localidade é usada como base para invasões de terras indígenas do Javari.

Quanto ao bilhete contendo ameaças a Bruno Pereira, recebido por Marubo há um mês e meio e revelado ontem pelo Estadão, o advogado afirmou que encaminhou um pedido de abertura de inquérito para o Ministério Público Federal, mas, como não ainda não obteve resposta, continuou as atividades com normalidade.

"Se tiver atuação mais efetiva das forças, sobretudo da parte de inteligência, acho que a gente consegue, sim, avançar com algumas informações, mas estamos falando de uma área de fronteira, onde os recursos são escassos e cada vez mais o Estado é menos presente", disse.

BUSCAS

As buscas pelos desaparecidos seguem nesta quarta-feira, três dias após a dupla ter sido vista deixando a comunidade São Gabriel em direção a Atalaia do Norte, no Amazonas.

Marubo avalia como "paliativas" e "desordenadas" as ações das autoridades na varredura da região do Vale do Javari. Segundo ele, são cerca de 35 homens do Exército, Marinha e PMs contra um grupo de 50 indigenistas atuando nas buscas.

Este vídeo pode te interessar

Veja também

A Gazeta integra o

Saiba mais
Amazônia desaparecidos

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.