ASSINE

Presidente do STJ decide colocar Queiroz em prisão domiciliar

Em decisões individuais, João Otávio de Noronha foi favorável à Presidência da República em 87,5% dos pedidos que já chegaram ao tribunal

Publicado em 09/07/2020 às 16h46
Atualizado em 09/07/2020 às 17h08
Prisão de Fabrício Queiroz em Atibaia, interior de São Paulo
Prisão de Fabrício Queiroz em Atibaia, interior de São Paulo. Crédito: Divulgação/ Policia Federal

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, decidiu nesta quinta-feira (9) colocar Fabrício Queiroz em prisão domiciliar. A esposa de Queiroz, Márcia Aguiar, que está foragida desde o dia 18 de junho, também obteve o benefício por determinação do magistrado.

Como o jornal O Estado de S. Paulo mostrou no mês passado, Noronha tem perfil governista: em decisões individuais, atendeu aos desejos da Presidência da República em 87,5% dos pedidos que chegaram ao tribunal. Em maio, por exemplo, livrou o presidente Jair Bolsonaro de mostrar exames de coronavírus. Na época, Bolsonaro se recusava a mostrar os testes, mas acabou divulgando os documentos após um recurso feito ao Supremo Tribunal Federal. 

Queiroz foi alvo de prisão preventiva há cerca de três semanas. Ele é suspeito de praticar obstrução da Justiça durante o processo que apura a existência de “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro, um dos filhos do presidente da República.

No habeas corpus, a defesa pede a conversão da prisão preventiva em domiciliar.

Os advogados citam o estado de saúde de Queiroz e o contexto de pandemia de Covid-19, além de criticarem fundamentos da medida autorizada pela Justiça.

O caso estava prestes a ter a primeira denúncia apresentada quando o foro de Flávio foi mudado. O MP entrou com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a investigação volte para a primeira instância. 

TORNOZELEIRA

Fabrício Queiroz e Márcia Aguiar devem ficar em casa e usar tornozeleira eletrônica. Esse mesmo pedido já tinha sido feito pelos advogados do ex-assessor logo após a prisão. No entanto, o HC foi negado pela desembargadora Suimei Cavalieri, da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ).

ADVOGADO DOS BOLSONARO

Por falar em casa, Queiroz foi preso em 18 de junho na casa de Frederick Wassef, então advogado de Flavio Bolsonaro e figura próxima ao presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o próprio presidente, Wassef também trabalhava para ele. Após o paradeiro do ex-assessor de Flávio ter sido revelado, Wassef deixou a defesa de Flávio.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.