ASSINE

Polícia de Minas Gerais apura se cerveja causou doença misteriosa

Laudo apontou a presença da substância dietilenoglicol em garrafas da cerveja Belorizontina, da marca Backer; há a possibilidade de a substância ter relação com a morte de uma pessoa. Outras sete estão internadas

Publicado em 09/01/2020 às 22h32
Atualizado em 20/01/2020 às 12h32
Cerveja na praia. Crédito: Divulgação
Cerveja na praia. Crédito: Divulgação

Laudo da Polícia Civil de Minas Gerais divulgado nesta quinta-feira, 9, apontou a presença da substância dietilenoglicol em garrafas da cerveja Belorizontina, da marca Backer, produzida na capital mineira. As investigações, conforme a corporação, continuam, mas existe a possibilidade de a substância estar relacionada à morte de uma pessoa e à internação de outras sete em hospitais da capital e Grande Belo Horizonte

A análise foi feita em garrafas da bebida recolhidas na residências de pessoas contaminadas, no bairro Buritis, Região Oeste de Belo Horizonte. Todas apresentaram insuficiência renal aguda e alterações neurológicas graves. A morte de um dos pacientes, morador de Ubá, na Zona da Mata, e que esteve no bairro Buritis, ocorreu na terça-feira, 7, em hospital de Juiz de Fora, na mesma região. 

Na tarde desta quinta, a Polícia Civil esteve na fábrica da cervejaria, no bairro Olhos d'água, na Região Oeste da cidade. Os lotes a que as garrafas pertenciam foram identificados como os de números  L1 1348 e L2 1348. Não há informação sobre o destino dos lotes. 

O Procon orienta consumidores do produto que tenham adquirido a cerveja recentemente a conferir as garrafas que possam ter em casa e, se verificarem que pertencem a esses dois lotes, que entreguem as unidades às autoridades de vigilância sanitária. O Procon classifica a situação como "grave" e afirma que os consumidores estão expostos a riscos.

DIETILENOGLICOL

O efeito do dietilenoglicol no corpo humano é compatível com os sintomas apresentados nos quadros de saúde das vítimas. Vômito, dores abdominais e irritação no trato gastrointestinal. A substância pode provocar lesões nos rins e fígado. A substância pode ser encontrada, por exemplo, para refrigeração de equipamentos utilizados na produção industrial. No caso das cervejarias, pode estar presente em serpentinas. 

O superintendente de Polícia Técnico-Científica de Minas, Thales Bittencourt, afirma não ser possível informar, no momento, os motivos que levaram a substância a ser encontrada na cerveja. "Podemos afirmar apenas que estavam nestas amostras", pontuou. Bittencourt afirmou que as autoridades de vigilância sanitária já foram comunicadas do resultado do laudo. Até o momento, segundo o Procon, que participa da força-tarefa montada para averiguar o que provocou a morte e as internações, não existe a possibilidade de se confirmar responsabilidade da Backer na contaminação dos lotes.

Segundo o delegado Flávio Grossi, responsável pelas investigações, as apurações vão levar tempo. O inquérito aberto tem prazo de 30 dias para conclusão. A reportagem do Estadão tentou, sem sucesso, contato com a cervejaria Backer. O telefone indicado para acesso à assessoria de comunicação da empresa estava desligado. Mensagem na rede social Whatsapp não foi respondida até as 20h47.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Minas Gerais Polícia Civil Cervejaria Backer Cerveja Cerveja Contaminada

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.