ASSINE

Embaixada chinesa vê indícios de fraude em sementes recebidas no Brasil

A embaixada se pronunciou nesta quinta (1°) dizendo que sementes são artigos de envio proibido pelos correios; o Ministério da Agricultura do Brasil investiga os casos

Publicado em 01/10/2020 às 16h09
Atualizado em 01/10/2020 às 16h12
Moradora de Vila Velha recebeu sementes junto com encomenda errada
Moradora de Vila Velha recebeu sementes junto com encomenda errada. Crédito: Reprodução

Após uma série de casos de brasileiros que receberam sementes não requisitadas e não identificadas supostamente vindas da China, a embaixada chinesa se pronunciou nesta quinta-feira (1) dizendo que sementes são artigos de envio proibido pelos correios, que a China respeita essa proibição e que há indícios de fraude nas etiquetas de envio dos produtos.

A representação do país asiático também se colocou à disposição das autoridades brasileiras para cooperar com as investigações.

"Soubemos por nota do Ministério da Agricultura e pela imprensa que brasileiros de diferentes partes do país têm recebido pacotes contendo sementes de plantas e que alguns desses pacotes trazem etiquetas com ideogramas chineses", escreve a embaixada chinesa em nota.

"Sementes são artigos de envio proibido ou restrito para os países membros da União Postal Universal (UPU). Os Correios da China seguem rigorosamente as disposições da UPU e vetam o transporte postal de sementes."

"Uma verificação preliminar constatou que as etiquetas de endereçamento apresentam indícios de fraude, com erros no código de rastreamento e em outros dados. A Embaixada está disposta a cooperar com a investigação das autoridades brasileiras", conclui o órgão diplomático.

Ministério da Agricultura está investigando sementes vindas principalmente da China e entregues em diferentes endereços pelo Brasil. Os pacotes são enviados pelo correio como brindes de outras compras feitas pela internet ou mesmo de forma aleatória, sem que o destinatário tenha pedido nada no exterior.

O material está sendo analisado por técnicos, que devem apurar a origem e a natureza das sementes. Como elas podem ser de espécies ainda não introduzidas no país, podem virar plantas daninhas, e representam perigo de disseminação de insetos e até mesmo de doenças.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Brasil China brasil

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.