ASSINE

Delator do mensalão, Jefferson esteve com Bolsonaro 10 dias antes de prisão

O ex-deputado Petebista, Roberto Jefferson  participou de encontro com presidente Jair Bolsonaro e grupo de entidades conservadoras que defende voto impresso

Publicado em 13/08/2021 às 14h40
Delator do mensalão, Jefferson esteve com Bolsonaro 10 dias antes de prisão
O ex-deputado Roberto Jefferson esteve há dez dias no Palácio do Planalto com o presidente Jair Bolsonaro. Crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Ex-deputado preso na manhã desta sexta-feira (13), Roberto Jefferson esteve há dez dias no Palácio do Planalto com o presidente Jair Bolsonaro.

O encontro, no último dia 3, foi registrado na agenda oficial de Bolsonaro e contou com a presença de representantes de entidades conservadoras, como a Associação Brasileira de Juristas Conservadores.

O grupo entregou carta a Bolsonaro para pedir às Forças Armadas que "não se eximam de seu papel histórico" de garantir a estabilidade política, a lei e a ordem. O texto também defendia o voto impresso, proposta rejeitada pela Câmara nesta semana.

Publicação no perfil do Instagram da associação diz ainda que os ministros Milton Ribeiro (MEC) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) também participaram, apesar de o encontro não constar na agenda deles.

Condenado no mensalão e líder da tropa de choque de Fernando Collor de Mello, o ex-deputado adotou nos últimos tempos roupagem bolsonarista e conservadora, abraçando pautas religiosas e armamentistas.

Assim como o presidente, ele também tem atacado ministros do STF e chegou a defender que Bolsonaro "demitisse" os 11 magistrados, mesmo não havendo previsão constitucional para isso.

A operação que prendeu Jefferson foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, no âmbito da investigação que apura suposta organização criminosa atuando nas redes sociais para atacar a democracia.

Na decisão, o ministro diz que Jefferson divulgou vídeos e mensagens com o "nítido objetivo de tumultuar, dificultar, frustrar ou impedir o processo eleitoral, com ataques institucionais ao TSE e ao seu presidente."

No mesmo dia, Jefferson esteve ainda com o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria Geral), que registrou o encontro em foto no seu Twitter. "Mais um soldado na luta pela liberdade do nosso povo e pela democracia do nosso Brasil", disse Ramos na rede social.

Segundo registros oficiais, além de 3 de agosto, Jefferson esteve no Planalto em outras duas ocasiões. Em julho do ano passado e, em maio, com o vice-presidente, Hamilton Mourão.

Nas últimas semanas, Bolsonaro tem intensificado o ataque ao STF e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em especial ao ministro Luís Roberto Barroso. Na live de quinta-feira (12), Bolsonaro chamou-o de "tapado".

Horas antes da ofensa, o presidente participou de cerimônia com militares no Planalto e voltou a se referir às Forças Armadas como "poder moderador" e disse que conta com o apoio dos militares às suas decisões.

O presidente do STF, ministro Luiz Fux, delimitou no ano passado a interpretação da Constituição para esclarecer que a lei não permite a intervenção das Forças Armadas sobre outros Poderes nem garante a elas "poder moderador".

A tese é defendida por aliados do presidente com base na tese do professor Ives Gandra Martins, de que os militares teriam papel moderador em situação de crise extrema entre os Poderes.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.