ASSINE

Caso Raíssa: adolescente diz que brincou com menina antes de matá-la

O menor será submetido à avaliação psicológica e ficará recluso por 45 dias

Publicado em 01/10/2019 às 17h56
Raíssa Eloá Caparelli. Crédito: Reprodução | TV Globo
Raíssa Eloá Caparelli. Crédito: Reprodução | TV Globo

FolhaPress - O menino de 12 anos acusado de matar Raíssa Eloá Capareli Dadona, 9 anos, no parque Anhanguera, em São Paulo, afirmou em depoimento que brincou com a vítima antes de matá-la.

A menina estava com a família em uma festa no CEU (Centro de Educação Unificado) Anhanguera, no último domingo (29). Ela estava na fila do pula-pula, enquanto a mãe foi com o irmão de Raíssa pegar pipoca, quando desapareceu. O corpo foi encontrado cerca de uma hora depois amarrado em uma árvore no parque.

Segundo o delegado Luiz Eduardo Marturano, o menor afirmou em depoimento que foi com a vítima a pé do CEU até o parque - a distância entre as portarias dos dois locais, a pé, é de cerca de 3,5 km. Uma câmera de segurança mostrou os dois andando a pé de mãos dadas pela estrada de Perus.

No local, segundo Marturano, o menino afirmou que teria brincado com Raíssa e, em seguida, a agredido com socos na região do rosto. "Depois ele disse que a empurrou a uma árvore, a amarrou [na região do pescoço] e a agrediu novamente", afirmou o titular da 5ª Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Contra a Criança e o Adolescente.

O delegado acrescentou que a menina foi amarrada à árvore ainda consciente, com um tipo de fio. O menor, segundo o policial, usou um pedaço de madeira para espancar a garota nesta ocasião. O objeto, no entanto, ainda não foi localizado pela polícia. A investigação também não sabe o que motivou o crime.

Marturano afirmou que, após colher o depoimento do menino, na segunda-feira (30), ficou "mexido", ou seja, emocionado. "Sai daqui [DHPP] vazio. Infelizmente isso é uma tragédia para a família da menina, uma criança especial, e também para a família do menor também."

Os pais do garoto também ficaram chocados, acrescentou o delegado, após o filho confessar o crime.

A apreensão provisória do adolescente, pelo período de 45 dias, já foi decretada pela Justiça. O menor será submetido à avaliação psicológica. Ele foi internado na noite de segunda, após depoimento.

Raíssa e o garoto moravam na mesma rua, ainda de acordo com a polícia, no bairro Morro Doce, também na região de Perus.

O DHPP aguarda o resultado dos exames do IML para que a causa da morte de Raíssa seja conhecida.

A polícia pretende colher depoimentos dos parentes de Raíssa, do garoto, e de pessoas que conviveram com o menor, principalmente meninas.

assassinato são paulo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.