ASSINE

Atlas da Notícia de 2020 mostra o avanço do digital nos desertos de notícias

Nova edição da pesquisa, patrocinada pelo Facebook, revela, por um lado, o aumento de 10,6% na base de veículos jornalísticos – com forte presença digital. Por outro, o fechamento de jornais sinaliza a piora da crise do meio impresso

Publicado em 02/02/2021 às 20h02
Mapa jornalismo no Brasil
Distribuição do jonalismo local no Brasil. Crédito: Projor/Divulgação

Cerca de 34 milhões de brasileiros não têm acesso a qualquer informação jornalística sobre o lugar onde vivem. Eles fazem parte da população de 3.280 municípios que são considerados desertos de notícias. Seis em cada dez municípios no Brasil estão nessa situação. O dado é parte dos resultados obtidos na quarta edição do Atlas da Notícia, iniciativa anual do Projor patrocinada desde 2018 pelo Facebook Journalism Project (FJP) e o maior e mais completo levantamento sobre a presença do jornalismo local no país.

Realizada em parceria institucional com a Abraji e Intercom, a quarta edição contou com a colaboração de 219 voluntários de 74 organizações, como escolas de jornalismo. O relatório detalhado da pesquisa será divulgado nesta quarta-feira, 3 de fevereiro, pelo Observatório da Imprensa.

A nova edição inclui um pacote de dados na linguagem R que visa facilitar o acesso aos dados por parte de pesquisadores, jornalistas e programadores. O front de pesquisa, análise e mapeamento do Atlas está a cargo da agência Volt Data Lab, liderada pelo jornalista Sérgio Spagnuolo. Já a coordenação da equipe de pesquisadores e da redação dos resultados da pesquisa é de responsabilidade do jornalista Sérgio Lüdtke.

O Atlas da Notícia mapeou 13.092 veículos jornalísticos em atividade em 2020. O levantamento também apontou o fechamento de 272 veículos e incorporou à base 1.170 novos veículos nativos digitais, a maior parte deles na região nordeste do país. O registro desses novos meios digitais levou à redução do número de desertos em cerca de 5,9% em relação à terceira edição da pesquisa.

“O Atlas da Notícia é uma espécie de censo da imprensa local brasileira", diz Francisco Belda, presidente do Projor. "Além do mapeamento geográfico, a pesquisa gera também dados importantes como o tipo de conteúdo publicado e o fechamento de veículos. São informações essenciais para iniciativas focadas no aprimoramento do jornalismo local brasileiro."

"Como em qualquer 'censo', os dados precisam de tempo e de constante atualização para começar a refletir mudanças importantes," diz Sérgio Spagnuolo, coordenador de dados do projeto. "Em levantamentos anteriores, os dados mostravam o impresso ainda muito presente. Agora, com a ampliação das nossas bases e aprofundamento da pesquisa, conseguimos ver a expansão do jornalismo online."

"Nesta quarta edição, dividimos nossos esforços em duas frentes", diz Sérgio Lüdtke, coordenador da equipe de pesquisadores. "Por um lado, procuramos qualificar a base do Atlas, atualizando e agregando mais informações aos veículos que já constavam dela; E, por outro lado, nos focamos nas áreas que apareciam como desertos nas pesquisas anteriores". Para isso, os pesquisadores usaram softwares como CrowdTangle para identificar novos veículos e os colaboradores passaram a coletar também dados de outros estados".

"O Facebook está comprometido em criar parcerias e investir no ecossistema de notícias locais para apoiar a imprensa em toda a região. Desde 2018, patrocinamos o Atlas da Notícia com o objetivo de colaborar com a indústria de notícias para entender suas necessidades e trazer recursos relevantes aos veículos e às suas comunidades." afirma a gerente de Programas para Veículos de Notícias da América Latina do Facebook, Dulce Ramos.

Realizada localmente nas cinco regiões brasileiras, a pesquisa do Atlas conta com os seguintes pesquisadores regionais: Angela Werdemberg (Centro-Oeste), Dubes Sônego (Sudeste), Jéssica Botelho (Norte), Marcelo Fontoura (Sul) e Mariama Correia (Nordeste).

A equipe do Atlas da Notícia agradece à Associação Nacional de Jornalismo (ANJ) e às seguintes escolas de jornalismo pela colaboração decisiva de seus alunos, além de colaboradores individuais, na catalogação de veículos:

Região Centro-Oeste

  • Uniderp-Anhanguera
  • Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Região Nordeste

  • Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
  • Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
  • Universidade Federal do Piauí (UFPI) Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
  • Centro Universitário AESO Barros Melo (Pernambuco)

Região Norte

  • Universidade Federal do Amazonas (Ufam)
  • Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa)
  • Centro Universitário do Norte (Uninorte)
  • Universidade Federal de Rondônia (Unir)

Região Sudeste

  • Universidade Estadual Paulista (UNESP-Bauru)
  • Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP)
  • A Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação (ESAMC Uberlândia)
  • Universidade Federal Fluminense (UFF)
  • Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Região Sul

  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
  • Universidade Estadual do Centro Oeste (Unicentro)
  • Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)
  • Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac Lages)
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Universidade Federal do Pampa (Unipampa)
jornalismo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.