ASSINE
Autor(a) Convidado(a)

Precisamos falar do estigma contra pessoas portadoras de doenças mentais

É imperativo falar sobre esse preconceito, uma vez que é fundamental que exista o apoio da família e da comunidade onde se está inserido

Publicado em 27/02/2021 às 14h00
Saúde mental
Ao excluir o enfermo, a sociedade se apodera da ilusão de que é sadia. Crédito: Freepik

Pessoas com doenças mentais sofrem devido aos sintomas de suas doenças, alguns até incapacitantes, e também pelo estigma social, do qual costumam ser vítimas. O estigma associado às doenças mentais afeta de forma negativa os vários estágios da doença, principalmente a busca por tratamento no início, além de negar oportunidades de trabalho e piorar a qualidade de vida das pessoas adoecidas.

Por isso, é fundamental o combate a essa forma de preconceito, que pode estar presente também entre profissionais de saúde (inclusive de saúde mental). Como marca (cicatriz), o estigma afasta o doente da sociedade, discriminando-o nos estudos, no trabalho, na família, nos serviços gerais de saúde, o que agrava seu sofrimento, piora sintomas depressivos e pode levar o paciente ao suicídio. Nossa cultura ainda segrega o portador de transtornos psiquiátricos, algumas vezes abertamente e outras, de forma velada, potencializando seu sofrimento. Ao excluir o enfermo, a sociedade se apodera da ilusão de que é sadia.

Alguns pacientes desenvolvem um autoestigma, ao internalizarem atitudes estigmatizantes e discriminatórias da sociedade, o que leva à baixa autoestima e menor resistência ao estresse. Pessoas estigmatizadas passam a ficar isoladas,  sentimentos de culpa e de autorreprovação.

Muitos estudos têm mostrado que pacientes com doenças mentais graves têm muito mais chance de sofrer violência (sexual, criminal, furtos, etc), quando se compara com a população geral. Atualmente, as pessoas portadoras de doenças mentais constituem um dos grupos sociais mais estigmatizados e continua sendo uma barreira para a busca de tratamento.

É imperativo falar sobre esse preconceito, uma vez que é fundamental que o doente mental tenha o apoio da família e da comunidade onde está inserido. A sociedade precisa ser esclarecida sobre as doenças mentais, para que os preconceitos  diminuam. A Organização Mundial da Saúde, a Associação Mundial de Psiquiatria e, entre nós, a Associação Brasileira de Psiquiatria têm trabalhado para a diminuição do estigma em relação às doenças mentais e até mesmo contra o preconceito dirigido aos médicos psiquiatras. É necessário acreditar que esse tipo de preconceito é crime e que o estigma e a psicofobia podem matar.

A autora é médica psiquiatra e psicogeriatra. Membro titular da ABP/APES. Mestranda da UVV

* Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais
doenca Saúde mental Psicologia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.