ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É economista e membro do Conselho Regional de Economia do Espírito Santo (Corecon-ES)

Escassez hídrica e matriz energética são novos sinais de alerta da economia

Enquanto a preocupação com o aumento da tarifa é séria, mas é de curto prazo, a preocupação com a matriz energética deve ser de longo prazo e é seríssima, pois poderemos ter um colapso do sistema com graves consequências sociais

Publicado em 10/07/2021 às 02h00
Usina hidrelétrica de Itaipu: nos últimos 30 anos, reconfiguração desta matriz energética foi desprezada
Usina hidrelétrica de Itaipu: nos últimos 30 anos, reconfiguração desta matriz energética foi desprezada. Crédito: Caio Coronel/ Itaipu

O aumento da bandeira vermelha pegou a todos de surpresa na semana passada, como se já não bastassem os aumentos tidos em nossa economia, que estão determinando, e com força, um ciclo altista do nível geral de preços. Um dos exemplos é o IGP-M, que está num patamar médio, para 12 meses, inconcebível se comparado com o IPCA, que é o índice de preços oficial do governo.

No último dia 29, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou reajuste de 52% para a bandeira vermelha 2, que passou de uma cobrança extra de R$ 6,24 para R$ 9,49 por cada 100 kWh consumidos. O sistema de bandeiras criados pelo governo funciona como um gatilho, ou seja, na medida que se acirra a escassez hídrica, o governo aciona o sistema de bandeiras. O objetivo é informar aos consumidores quando o custo aumenta, e, dessa forma, criar um mecanismo forçado de redução do consumo, pois evita que se pague conta de luz mais cara.

Do ponto de vista prático, o que acontece é que, quando os reservatórios das usinas hidrelétricas ficam baixos, é imperioso o acionamento das várias usinas termelétricas para garantir o fornecimento de energia. Portanto, é um gasto que o consumidor pode controlar em relação ao seu consumo doméstico, mas esse tipo de aumento, quando repassado para o sistema de custo dos serviços e produtos, não há como evitar o seu impacto no orçamento das famílias.

Esse aumento de 52% se traduzirá num impacto médio 4,9% nas contas residenciais, portanto é importante que se faça o máximo possível economia no consumo de energia elétrica.

Quanto à matriz energética brasileira, aproximadamente 43% da produção de energia é proveniente de fontes de energia renováveis, sendo elas as energias eólica, hidráulica, solar e de biomassa. Da energia elétrica produzida no Brasil, 75% provêm das usinas hidrelétricas, portanto, se houver uma escassez mais prolongada, poderemos ter um colapso no tecido econômico com graves consequências no tecido social.

Nos últimos 30 anos, a reconfiguração dessa matriz energética foi desprezada pela elite política do país, que teve como única preocupação a aplicação de modelos populistas baseados no consumo. Portanto, por desprezo, falta de visão, corrupção e outros agravantes, a verdade é que não priorizamos o investimento nesse setor, mesmo com a severa crise hídrica ocorrida no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso.

Por fim, enquanto a preocupação com o aumento da tarifa é séria, mas é de curto prazo, a preocupação com a matriz energética deve ser de longo prazo e é seríssima, pois poderemos ter um colapso do sistema com gravíssimas consequências sociais.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.