ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É sociólogo

Carnaval de Vitória: adiamento de desfiles no Sambão é preocupação sanitária real?

Transferência da festa para abril foi necessária, mas enquanto isso shows, jogos de futebol com público, eventos corporativos, grandes festas em bares e demais situações contraditórias continuam acontecendo

Publicado em 24/01/2022 às 14h00
Sambão do Povo vai receber pacientes com diagnosticados com Covid-19
Sambão do Povo vazio: desfile foi adiado para abril. Crédito: Leonardo Silveira/Divulgação

É evidente que as condições sanitárias requerem cuidados e preocupações, uma vez que o aumento de casos de Covid-19 tem aumentado vertiginosamente, batendo recordes diários - foram registrados logo após a primeira quinzena de janeiro mais de 12 mil casos no Espírito Santo em 24 horas - chegando a números maiores do que em qualquer período anterior do caos sanitário.

Isso acarreta superlotação das unidades de saúde públicas e privadas, constante exaustão dos trabalhadores da saúde e dificuldade da realização de testagem em massa por instabilidades nos sites designados para o agendamento e falta de vagas. Quem consegue agendar enfrenta filas por horas para conseguir ser testado.

Esses motivos são válidos para o adiamento do carnaval no Sambão do Povo? Sim. Mais do que válidos. São fundamentais para a decisão de não fazer carnaval numa escalada de contaminação.

Este vídeo pode te interessar

Mas a pergunta geradora desse texto é: essa preocupação sanitária é real? Na minha visão, não. E por qual motivo?

Enquanto o Carnaval no Sambão do Povo foi adiado para abril, em Guarapari mantêm-se shows de grande porte com nomes conhecidos e em casas que funcionam mediante liminar judicial porque anteriormente foi apontado que não se adequavam a normas de segurança com problemas de superlotação e dificuldade de área de escoamento das pessoas em casos de emergência.

Além disso, o Estádio Kleber Andrade receberá jogos do Campeonato Carioca, como o presidente do Fluminense afirmou em entrevista que mandará a partida contra a Portuguesa ser realizada no estádio de Cariacica. E o local também está sendo cotado para sediar nada mais, nada menos do que um Fla-Flu no dia 6 de fevereiro. Oras, qual o sentido de serem mantidos esses eventos e cancelarem o carnaval no Sambão do Povo? É realmente uma preocupação sanitária ou é uma decisão que confirma que “fazem de tudo para silenciar a batucada dos nossos tantãs”?

Ao que tudo indica, desde quando a pandemia começou, a culpa é do carnaval. Em 2020 foi por culpa dele que a doença se espalhou e em 2022, apenas ele deverá ser sacrificado em prol de uma coletividade. Entretanto, essa decisão não passa de uma forma dos governantes dizerem cinicamente “tentamos controlar a pandemia” e colocarem a cabeça tranquila no travesseiro, enquanto acontecem grandiosos shows, jogos de futebol com público, eventos corporativos, grandes festas em bares e demais situações contraditórias.

Enquanto isso, em um Estado com pouco mais de 4 milhões de habitantes e 214 mil pessoas desempregadas, com o salário médio perdendo ⅓ do poder de compra e  todos os serviços funcionam normalmente, como ficarão as pessoas que trabalham com o carnaval, o popular de rua ou o que ocorre na avenida? Haverá auxílio financeiro para essas pessoas ou elas terão que se virar para manterem o mínimo de dignidade e sobrevivência? São perguntas que devem ser respondidas pela Assembleia Legislativa do Espírito Santo (ALES), pela Prefeitura de Vitória, pela Câmara de Vereadores de Vitória, pelo governo do Estado do Espírito Santo e pelos responsáveis pelo carnaval.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.