ASSINE

Transtorno bipolar: saiba como evitar ou controlar as crises

O bipolar pode levar anos para ser diagnosticado, justamente por apresentar quadros eufóricos apenas durante determinado período da vida

Publicado em 30/03/2021 às 02h00
Bipolaridade, transtorno bipolar, saúde mental - Editoria: Bem-Estar e Saúde
É preciso entender que as fases de euforia, que se intercalam com a depressão, não representam um estado agradável, de bem-estar. . Crédito: Shutterstock

Dizer que a pandemia tem repercussão direta sobre a saúde mental já se tornou um senso comum. Inclusive, nas redes sociais, não faltam alertas sérios, frases feitas  e “memes” sobre o assunto que, de brincadeira, não tem nada.

As pesquisas realmente indicam que, com a pandemia e o isolamento social, houve um aumento significativo de casos relacionados à depressão, ansiedade, Síndrome de Burnout, entre tantas outras doenças do amplo universo que representa a saúde mental, como o Transtorno Bipolar, sendo essa uma das mais complexas e mal compreendidas e que tem em 30 de março um dia mundial de conscientização.

Muitos entendem a bipolaridade como um transtorno em que o indivíduo oscila de estado e vai da felicidade à tristeza em questões de segundos. Mas não é tão “simples”. “A característica mais marcante da doença é, sim, a alternância de episódios de depressão com os de euforia, mas os quadros são bem mais complexos do que uma simples variação de humor. O bipolar pode levar anos para ser diagnosticado, justamente por apresentar quadros eufóricos apenas durante determinado período da vida”, explica o psiquiatra da Samp, Jovino da Silva Alves Araújo.

Segundo ele, é preciso entender que as fases de euforia, que se intercalam com a depressão, não representam um estado agradável, de bem-estar. “É uma fase de inquietação, de extrema irritabilidade, de muita energia, pouco sono. O indivíduo tende a ficar acelerado, a falar muito. A aceleração, em geral, impede que as atividades sejam concluídas porque não há foco”, afirma.

Para o psiquiatra, os casos de bipolaridade demandam atenção ainda maior neste período de pandemia, em diversos aspectos. “É realmente um período difícil para todos porque a pandemia, por si só, já carrega uma série de questões que podem afetar a saúde psíquica: o medo da morte, a falta de controle, a relação com o imprevisível, a necessidade de isolamento, que pode gerar solidão. Quando já há um transtorno como a bipolaridade, a preocupação é ainda maior. Muitos pacientes diminuíram a frequência de acompanhamento médico ou deixaram de lado o tratamento, o que não pode ser feito sob nenhuma hipótese. Há ainda uma maior propensão tanto à depressão quanto à crise de euforia, além de mais dificuldade de aderir a protocolos de prevenção no caso de pacientes bipolares. Ou seja, vários motivos para redobrar o cuidado”, considera.

É preciso atenção

Números divulgados pela Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata) apontam a existência de cerca de 140 milhões de pessoas com transtorno bipolar no mundo. Outro dado preocupante indica que 50% dos portadores da doença tentam o suicídio ao menos uma vez na vida, sendo que 15% desses não sobrevivem.

Para evitar consequências mais graves, Jovino pede atenção por parte do próprio paciente e de seus familiares. “Manter as consultas em dia é uma forma de perceber a aproximação de crises, por exemplo e manter uma rotina de hábitos saudáveis, como atividade física, meditação, música... Enfim, algo que pode variar de indivíduo para indivíduo, mas que traga prazer e bem-estar efetivos para a saúde mental”, completa.

Do ponto de vista prático, a família também pode incentivar a prática dessas atividades, incluindo o exercício físico e a criação de uma rotina com horário definido para dormir. Trabalhar para evitar atritos dentro de casa, ainda mais durante o isolamento, é outro cuidado importante.

O efeito rebote da pandemia

A pandemia, o número assustador de mortes, o colapso do sistema de saúde, a dificuldade de implementar uma política eficaz de vacinação. Tudo isso já representa problemas de grandeza inquestionável, mas não é só.

“Como se não bastasse, devido ao isolamento, as pessoas -principalmente as de grupo de risco tais como idosos, hipertensos, diabéticos e cardiopatas – por medo da exposição ao Covid tem interrompido o acompanhamento médico, exames de rotina e uso de medicações. Perder o controle de doenças crônicas somado à ansiedade e depressão decorrentes do isolamento podem prejudicar a qualidade de vida. A medicina preventiva indica manter o acompanhamento de saúde regular, se possível de forma virtual. É importante valorizar o tempo em família, o tempo de lazer e, se necessário, buscar apoio psicológico. Na busca de informações, é importante priorizar os meios de comunicação sérios e tomar cuidado com as fake news. Muitos esquecem, mas a mente e o corpo são um só, afirma o médico e coordenador de medicina preventiva da Samp, Ramon Minarini. 

Atitudes que ajudam a evitar ou controlar as crises

  1. 01

    Praticar exercícios físicos

    Exercitar-se contribui no controle do cortisol (o hormônio do estresse) e na liberação de serotonina (neurotransmissor responsável pela felicidade e bem-estar) e de endorfina (que regula as funções do sistema nervoso). Além disso, atividades físicas ajudam no relaxamento do corpo, melhoram a qualidade do sono e aumentam a disposição.

  2. 02

    Ter um hobby prazeroso

    Encontrar algum hábito saudável que proporcione satisfação pode ajudar o paciente a preservar a saúde mental. Ioga, jardinagem, marcenaria, pintura, desenho, música, dança são práticas que podem aliviar a tensão do dia a dia e trazer foco e estímulo ao cuidar de si mesmo.

  3. 03

    Ler

    Pesquisas indicam que ler por apenas seis minutos é o suficiente para reduzir o nível de estresse em até 68%. Funciona como uma forma de entrar numa realidade que permite “escapar”, de forma saudável” do mundo cotidiano, o que promove o relaxamento.

  4. 04

    Estar em contato

    O isolamento social não precisa ser barreira para rir, conversar, chorar, ouvir, falar com pessoas queridas. Faça bom uso das tecnologias.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.