ASSINE

Maio Azul: conheça os sintomas do câncer de ovário e tratamentos

A doença pode acometer qualquer faixa etária, porém, metade dos casos ocorre fora da idade reprodutiva, sendo mais diagnosticada acima dos 60 anos. Maio é dedicado à luta contra o câncer de ovário com a campanha Maio Azul

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 20/05/2021 às 02h00
Mulher com dor na barriga
Entre as manifestações mais comuns estão o desconforto abdominal e o aumento do volume nessa região. Crédito: Goncalo Costa/ Freepik

Estar atento aos sintomas e manter o acompanhamento regular com o ginecologista são formas de antecipar um diagnóstico de câncer de ovário que, em geral, só é feito quando a doença avança. No Brasil, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), esperam-se 6.650 casos novos desse tipo de câncer para o triênio 2020-2022, correspondendo a um risco estimado de 6,18 casos novos a cada 100 mil mulheres. Esse é o câncer que matou a atriz Eva Wilma, aos 87 anos, no último dia 15 de maio. 

A oncologista  Luana Pescuite, da Oncomédica da Samp, explica que o câncer de ovário é um tumor de crescimento silencioso e frequentemente é diagnosticado em estágios avançados. “O diagnóstico tardio pode impactar no resultado do tratamento e sobrevida da paciente”, afirma. “Assim, as pacientes devem ter um olhar atento a modificações em seu corpo e manter consultas regulares ao ginecologista, principalmente após os 50 anos”.

Luana Pescuite é oncologista
Luana Pescuite é oncologista e fala sobre o câncer de ovário. Crédito: Divulgação/ Luana Pescuite

Luana Pescuite

Oncologista

"As pacientes devem ter um olhar atento a modificações em seu corpo e manter consultas regulares ao ginecologista, principalmente após os 50 anos"

O câncer de ovário pode acometer qualquer faixa etária, porém, metade dos casos ocorre fora da idade reprodutiva, sendo mais diagnosticado acima dos 60 anos. Os principais fatores de risco são, além da idade, histórico familiar de câncer de ovário e de mama, primeira menstruação em idade precoce (antes dos 12 anos), menopausa tardia (após os 52 anos), obesidade e tabagismo. Mulheres que não tiveram filhos também podem ter mais chances de desenvolver a doença.

Este vídeo pode te interessar

SINTOMAS E DIAGNÓSTICO

Segundo o INCA, o câncer de ovário é a segunda neoplasia ginecológica mais comum, em primeiro está o câncer do colo do útero. "O câncer de ovário é uma patologia 'silenciosa', são tumores com crescimento lento e os sintomas demoram um tempo para surgir e normalmente aparecem quando a doença já está em estágios mais avançados", inicia a oncologista Carolina Nolasco Santana, do Cecon/Oncoclínicas.

"São três tipos mais comuns de tumores de ovário: tumores epiteliais (o mais comum, que começam nas células de revestimento da parte externa dos ovários), os tumores de células germinativas (originados nas células germinativas que dão origem aos óvulos) e os tumores estromais (originados das células que formam o ovário e que produzem os hormônios femininos)", completa.

Carolina Nolasco Santana, oncologista
A oncologista Carolina Nolasco Santana fala sobre câncer de ovário. Crédito: Carolina Nolasco Santana

Carolina Nolasco Santana

Oncologista

"Entre as manifestações mais comuns estão o desconforto abdominal e o aumento do volume nessa região, sangramento anormal, perda de apetite, urgência urinária (que pode ser um reflexo da pressão na bexiga), mudança de hábitos intestinais e dor durante o ato sexual"

Para ser realizado um diagnóstico mais precoce, os exames mais comuns são o ultrassom transvaginal, a tomografia de abdômen e pelve, além do exame de sangue do marcador CA-125.  Carolina Nolasco conta que o médico também pode identificar o tumor durante o exame pélvico, em que apalpa os ovários e útero.

"Em casos mais avançados, pode ser necessário complementar o estadiamento com colonoscopia, ressonância magnética e tomografia por emissão de pósitrons (PET-TC). A confirmação do diagnóstico é feita por meio da biópsia", explica.

TRATAMENTO

Em estágios iniciais, a paciente é submetida à cirurgia de citorredução (Salpingooforectomia total), em alguns casos sendo necessário quimioterapia complementar após a cirurgia, a depender do estadiamento da doença. "Nos estágios mais avançados, o tratamento se inicia com a quimioterapia neoadjuvante, com o intuito de se reduzir o volume de doença, para depois a paciente ser submetida à cirurgia", explica  a oncologista Carolina Nolasco Santana.

A médica ressalta que as mulheres devem consultar regularmente o seu médico e ficar atentas aos sinais e sintomas, principalmente aquelas acima de 50 anos. "Alguns estudos mostram que fazer o uso dos contraceptivos orais podem reduzir o risco de acordo com a duração do uso de contraceptivos. Além disso, elas podem evitar o risco da doença mantendo um estilo de vida saudável, evitando o tabagismo e realizando atividade física regularmente", finaliza. 

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde câncer Saúde

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.