ASSINE

Julho verde: conheça os sintomas do câncer de cabeça e pescoço

O Brasil registra cerca de 41 mil novos casos a cada ano.  O tratamento, na maioria das vezes, é a cirurgia

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 12/07/2021 às 15h38
Mulher tocando o pescoço
Na tireoide, a doença pode se manifestar com nódulos no pescoço, tosse, incômodo ao engolir ou respirar. Crédito: Seva Levitsky/ Freepik

Estar atento aos sintomas - como dor ao engolir, rouquidão persistente, caroço no pescoço ou lesões na boca - e manter o acompanhamento regular são formas de antecipar um diagnóstico de câncer de cabeça e pescoço. 

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Brasil registra cerca de 41 mil novos casos a cada ano. São tumores malignos que podem atingir a boca, língua, gengiva, amígdalas, faringe, laringe, tireoide e seios paranasais, por exemplo. Para alertar a população, julho é considerado o mês de conscientização do tumor.

SINTOMAS

Cirurgião de cabeça e pescoço, Marco Homero de Sá explica que os sintomas variam de acordo com a região afetada. Entre eles, estão a dor ao engolir, as dificuldades para respirar, a rouquidão persistente e a presença de caroço no pescoço ou lesões na boca que não melhoram com mais de duas semanas. 

Na língua, por exemplo, podem surgir manchas ou feridas, dor e dificuldade de mobilizá-la. Na tireoide, a doença pode se manifestar com nódulos no pescoço, tosse e incômodo ao engolir ou respirar. O câncer na laringe, que acomete as cordas vocais, pode alterar a voz, causando rouquidão. 

Marco Homero de Sá
Marco Homero de Sá fala da prevençaõ do câncer de cabeça e pescoço. Crédito: Divulgação Marco Homero de Sá

Marco Homero de Sá

Cirurgião de cabeça e pescoço

"É importante ficar atento aos sinais. Ao perceber feridas na boca, na garganta ou rouquidão que persistem por mais de duas semanas, é preciso procurar um especialista. Os tumores na região de cabeça e pescoço têm muitas chances de cura se descobertos em sua fase inicial"

PREVENÇÃO 

O tabagismo aumenta a probabilidade de uma pessoa ter um tumor na cavidade oral quando comparada a quem não fuma. Para quem fuma e bebe, segundo a Sociedade Americana de Câncer, o risco chega a ser 30 vezes maior. A oncologista Virgínia Altoé Sessa conta que além desses dois fatores, a infecção por alguns vírus, como HPV e EBV, também entram na lista.  

“Além de evitar o tabagismo e o etilismo, e aumentar a prática de atividade física e o consumo de alimentos saudáveis, outra medida importante de prevenção é a vacinação para HPV logo na infância. Assim, evita-se a infecção pelo vírus na fase adulta, uma vez que o HPV invade células da pele e mucosas e pode transmitir a doença pela via sexual, mais especificamente, pelo sexo oral e até mesmo pelo beijo”, explicou a especialista.

Para o diagnóstico da doença é realizado o exame físico. Depois, é feito um pedido de imagem, como ultrassom ou tomografia. "Caso seja confirmado como maligno, o tratamento, na maioria dos casos, é a cirurgia. Mas tudo depende do estadiamento da doença", explica Marco Homero de Sá. 

Após a cirurgia, é realizado uma nova avaliação para saber se é necessário um tratamento, como a radioterapia ou radioterapia com quimioterapia. "No caso da tireoide, a gente usa cirurgia e, se precisar, também a iodoterapia", diz o médico.

MÁ HIGIENE BUCAL

A má higiene bucal também pode levar ao problema. A ortodontista Catarina Riva destaca os cuidados com a limpeza para evitar o câncer de boca.

Catarina Riva

Ortodentista

"É importante alertar sobre a prevenção e diagnóstico precoce porque são tumores que podem ser assintomáticos no início. Lesões na cavidade oral ou nos lábios que não cicatrizam por mais de 15 dias ou que estejam crescendo devem ser investigadas, mesmo que sejam lesões indolores"

Catarina indica que o atendimento em consultas regulares facilita a detecção de lesões suspeitas na cavidade oral. Ela orienta também o autoexame na boca mensalmente, em local bem iluminado e diante do espelho.

“O paciente deve olhar bem todas as estruturas da boca e do pescoço e observar se há sinais como mudança na cor da pele e mucosas, endurecimentos, caroços (principalmente no pescoço e embaixo do queixo), feridas que não cicatrizam, inchaços, áreas dormentes, dentes quebrados ou amolecidos e ferida rasa, indolor e avermelhada”.

PRINCIPAIS SINTOMAS

  • Para o câncer de boca e garganta, os principais sintomas são: feridas ou aftas que não cicatrizam em duas semanas e a dificuldade ou incômodo na hora de engolir.
  • O câncer na laringe, que é o câncer nas cordas vocais, pode alterar a voz causando rouquidão; já o câncer de tireoide e até mesmo o de garganta podem apresentar um caroço no pescoço, que após duas semanas de aparecimento deve ser avaliado.
  • Já nos tumores de pele, devemos ficar atentos aos sinais de alteração de cor, tamanho e forma das pintas.

COMO SE PREVENIR

  • Não fumar
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas
  • Ter alimentação rica em frutas, verduras e legumes
  • Manter boa higiene bucal
  • Usar preservativo (camisinha) na prática do sexo oral
  • Manter o peso corporal adequado
  • Recomendar a vacinação do HPV ainda na infância
  • Uso de protetor solar e evitar exposição ao sol prolongada

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Saúde

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.