ASSINE

Influencer se arrepende de bichectomia; entenda os perigos do procedimento

"Caiu a minha cara", disse Jéssica Frozza após procedimento estético, que consiste na retirada parcial da bola de Bichat, para diminuir as bochechas

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 20/04/2021 às 18h51
 Jéssica Frozza
A influencer Jéssica Frozza se arrepende de bichectomia: 'Flacidez gigantesca'. Crédito: Reprodução Tik Tok

A influenciadora Jéssica Frozza, usou as redes sociais para fazer um alerta sobre a bichectomia, relatando sua experiência pessoal. O procedimento consiste na retirada parcial da bola de Bichat, que é um acúmulo de gordura localizado na face, para diminuir as bochechas.

Em seu perfil no TikTok, Jéssica admitiu que não pesquisou muito sobre o procedimento antes de realizá-lo. "No primeiro ano, você acha massa. Só que depois do primeiro ano, juro por Deus, meu rosto ganhou uma flacidez gigantesca. Caiu a minha cara, conheço minha cara. Hoje tenho que ficar fazendo procedimento para estimular o colágeno na bola de Bichat. Fiquei caveirística. Por que ninguém me avisou?", relatou.

Ela refletiu sobre aceitação. Para retomar o aspecto natural do rosto, ela contou que fez preenchimentos para levantar as bochechas."Estou falando sobre aceitação. Eu fiz. Ninguém me obrigou. As pessoas que fizeram meu procedimento são maravilhosas. Elas não são péssimas profissionais por conta disso. Eu fiz, eu disse sim", explicou.

PROCEDIMENTO IRREVERSÍVEL

A cirurgia virou moda, principalmente após a adesão de celebridades. Kim Kardashian, Madonna, Angelina Jolie, Ludmilla.... Essas são só algumas das famosas que especula-se que conseguiram um rosto mais fino e alongado após fazerem uma bichectomia, procedimento onde o objetivo estético é afinar o rosto e marcar mais as maçãs.

A dermatologista Isabella Redighieri explica que as bolas de Bichat são bolsas de gordura que se encontram em uma camada profunda da face, sob as maçãs do rosto e entre os músculos masseter e bucinador. "Eles atuam como uma espécie de almofada ou amortecedor entre os músculos faciais que, entre outras coisas, participam dos movimentos de mastigação". 

A bola de Bichat não pode ser recolocada e em termos gerais, o procedimento é irreversível. Embora seja uma cirurgia relativamente simples e pouco invasiva, há uma certa 'banalização' do seu uso, diz a especialista.

"Criou-se um alvoroço em torno da bichectomia nos últimos anos, impulsionado por celebridades, como se fosse um procedimento indicado para qualquer pessoa, principalmente para 'afinar' o rosto e deixar as bochechas mais marcadas. Mas o problema aparece alguns anos depois. Se utilizada em pacientes sem real necessidade, a bichectomia pode acelerar o aspecto envelhecido da face", explica a médica. 

Geralmente, pacientes com alguma doença, tumor, assimetrias ou volume acentuado nesse local do rosto podem ser beneficiados com o procedimento. "O local é repleto de estruturas importantes como nervos, ductos e vasos, e caso haja alguma lesão dessas estruturas durante o procedimento, pode ocorrer dano funcional. O procedimento, caso indicado, deve ser realizado por um cirurgião especializado", ressalta Isabella Redighieri.

ASPECTO ENVELHECIDO

Uma grande preocupação da classe médica é que as pessoas sem indicação alguma estão passando pela cirurgia e, na maioria dos casos, são jovens entre 20 e 25 anos. De acordo com o cirurgião plástico Adriano Batistuta, esse procedimento não é indicado para qualquer pessoa, pois corre-se o risco de conseguir maçãs mais marcadas, mas como consequência, pode-se também vir acompanhada de um envelhecimento facial notório.

“Isso, a longo prazo, pode trazer a essas meninas uma aparência bem envelhecida, de mulher mais velha do que realmente são. Porque retira-se gordura da face, e são as gorduras faciais que previnem o surgimento de rugas e linhas de expressões, além de sustentarem a face, evitando o famoso efeito de 'despencar'”, disse.

O médico explica que o procedimento é considerado simples, mas ainda assim deve ser realizado com segurança por um profissional que entenda de face e de anatomia humana. "Os perigos de realizar o procedimento com profissionais que não possuem total conhecimento da face humana vão desde sangramentos ou infecções, até as lesões no nervo facial ou secção acidental do ducto salivar. Uma lesão grave no nervo facial, por exemplo, pode levar à perda irreversível de movimento da face”, alerta o cirurgião plástico. 

"ENTREI EM DEPRESSÃO"

A empresária Luciana Felix, 38 anos, mora em Portugal e fez a bichectomia em 2019. Em seu vídeo, ela relata que também teve flacidez no rosto. "Sou a prova viva que a bichectomia dá flacidez. Antes de fazer, eu não tinha essa papada que é efeito da flacidez. Um cirurgião plástico explicou que eu queixo é desproporcional para o meu rosto, por isso dá o aspecto que tenho papada".

Ela disse ainda que recebe muitas críticas depois que começou a expor o caso. "Principalmente por parte dos dentistas, eles oferecem como emagrecimento facial. Falam que vão deixar o rosto mais harmônico, já fiz vários tratamentos estéticos e nada adianta para me ajudar. É muita pele sobrando, eu entrei em depressão".

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Beleza Saúde

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.