ASSINE

Conheça a "síndrome do impostor" e como ela sabota seu sucesso

Segundo a psicóloga Adriana Müller, comentarista da CBN Vitória, a desordem psicológica pode afetar pessoas bem-sucedidas de diversas áreas de atuação

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 27/04/2021 às 18h09
Mulher cansada. O cansaço e a fadiga é característica a Síndrome da Fadiga Pós-viral, pós Covid-19
Fuga de muitos trabalhos e situações que as deixem "fora do controle" são sintomas da Síndrome do Impostor. . Crédito: Shutterstock

Alguma vez você já conheceu alguém que é extremamente habilidoso em suas tarefas, empenhado, mas que não consegue reconhecer a própria capacidade, sucesso, possui muitas inseguranças e dúvidas quanto à própria capacidade? Essa pessoa pode sofrer do fenômeno psíquico conhecido como a “síndrome do impostor”. A psicóloga Adriana Müller, comentarista da Rádio CBN Vitória, explica que apesar de ter o nome "síndrome", trata-se de um conjunto de fatores psicológicos e vem sendo cada vez mais diagnosticado.

Segundo Adriana Müller, a pessoa com síndrome do impostor experimenta um misto de sentimentos que envolve insegurança, baixa autoestima, complexo de inferioridade, perfeccionismo, apreensão e, principalmente, medo de ser descoberta e exposta, isso porque acredita plenamente que é uma fraude e que, mesmo trabalhando duro para alcançar o sucesso, sua possível incompetência será evidenciada há qualquer momento. 

Adriana Müller

Psicologa e comentarista da Rádio CBN 

"O transtorno faz com que pessoas capacitadas vejam a si mesmas com uma inferioridade que não existe, sempre percebem e acham que são desqualificadas e subestimam as suas próprias habilidades "

A psicóloga identifica que, diante dos sentimentos, muitas vezes os pacientes enfrentam a procrastinação. “Pessoas começam a adiar uma tarefa e até mesmo deixam os compromissos importantes para o último momento e nesse final estão sempre fugindo de momentos em que podem ser avaliadas ou criticadas”, descreve.

FIQUE ATENTO A ALGUNS SINTOMAS: 

  1. 01

    Discursos autodepreciativos

    Pessoas que sofrem com a síndrome sofrem com o grande excesso de autocobrança, intolerância às próprias falhas e necessidade de agradar a todos, além disso acreditam que não são boas o bastante e que não merecem o sucesso. 

  2. 02

    Fuga de muitos trabalhos e situações que as deixem "fora do controle"

    Os pacientes, por muitas vezes, por estarem cercados de perfeccionismo, sentimento de incompetência e medo de não cumprirem com todas as tarefas vão evitar muitas atividades e trabalhos complexos, além de situações mais desafiadoras do cotidiano. 

  3. 03

    Necessidade de reavaliar o próprio trabalho e procrastinação

    Por serem muito perfeccionistas, os paciente vão adiar tarefas e compromissos com o medo do trabalho nunca ser o suficiente, além do medo das críticas impostas por outros.

Adriana destaca que, para superar a síndrome os pacientes precisam parar de estabelecer padrões inatingíveis, pois todas as pessoas invariavelmente cometem erros. “Devemos nos atentar que o sucesso depende de muitos fatores, não apenas do seu grande trabalho, confiar em si mesmo e entender que a perfeição não faz parte do planeta terra e que todos temos limites”, destaca.

O tratamento da síndrome pode ser feito com psicólogos e também realizar atividades capazes de aliviar o estresse e a ansiedade, que melhorem a autoestima e o autoconhecimento, como yoga, meditação e exercícios físicos.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Carreira Saúde cbn cotidiano cbn vitoria Saúde Saúde mental Psicologia Adriana Müller

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.