ASSINE

Colchão bom é colchão duro? Saiba como escolher o modelo ideal

Escolhas erradas podem acarretar até mesmo lesões na coluna

Publicado em 03/08/2019 às 19h54
Colchão deve deixar coluna alinhada e músculos relaxados    . Crédito: shutterstock
Colchão deve deixar coluna alinhada e músculos relaxados . Crédito: shutterstock

O sono deveria ser encarado como algo sagrado, livre de qualquer incômodo e problema. Um colchão não pode levar a culpa por uma noite maldormida, certo? Acontece que, muitas vezes, é ele que está comprometendo o descanso.

Ouvimos especialistas para saber o que é certo e o que é errado em relação a esse objeto tão importante, sobre o qual ficamos (ou deveríamos ficar) boa parte da nossa vida repousando.

Afinal, é mesmo como muita gente diz: colchão bom é colchão duro? Esse é um dos grandes mitos sobre o assunto, segundo o ortopedista Lourimar Tolêdo. “O colchão deve ser confortável, deixando a coluna alinhada e os músculos relaxados. Se for muito duro, pode provocar dores nos ombros, quadris e juntas, além de cansar a musculatura”, afirma.

Então, tem que ser mais mole? “Colchão muito mole entorta a coluna e causa dor nas costas, o que pode evoluir para problemas ortopédicos”, explica o médico.

O colega de profissão, Bernardo Garcia Barroso, assina embaixo: “Os colchões devem ser escolhidos de acordo com as características e as preferências da pessoa. Em grande parte dos casos, aqueles de firmeza intermediária são apontados como melhores para um sono confortável e para o alinhamento da coluna vertebral”.

Não é o preço que deve comandar a escolha. “O preço do colchão não é o fator determinante de sua adequação ao indivíduo ou de sua qualidade. O colchão deve ser escolhido levando-se em conta as características, principalmente peso e altura, e as preferências de quem irá utili zá-lo”, destaca o ortopedista.

Colchões magnéticos, cheios de truques, funcionam? Melhor não gastar seu dinheiro com isso, de acordo com os médicos. “Não recomendo comprar os colchões magnéticos ou com infravermelho, pois não existe nenhuma comprovação científica na literatura médica que justifique isso. Sempre que for procurar um produto que tem a indicação terapêutica pela empresa ou pelo vendedor, veja se existe um registro do mesmo na Anvisa”, orienta Tolêdo.

Na hora de comprar, não tenha vergonha de testar bastante o produto na loja. “É preciso deitar no colchão antes para sentir a acomodação do corpo, vendo se ele não cede muito como o peso e se a coluna fica alinhada quando a pessoa se deita”, recomenda o ortopedista.

O QUE É MENTIRA O QUE É VERDADE

1) Colchões de mola são melhores do que os de espuma

Mito. A escolha deve ser baseada em preferência pessoal, havendo inclusive modelos de colchões que reúnem benefícios das duas soluções, como os colchões de molas ensacadas. No entanto, ao escolher o modelo de espuma, é importante que se pesquise a tabela de biotipo, que define a densidade ideal do produto a ser comprado de acordo com altura e peso do consumidor.

2) É necessário virar o lado dos colchões a cada 3 meses

Verdade, quando o tipo de colchão permitir. No caso dos colchões de mola ensacada, por exemplo, apenas um lado pode ser usado para se deitar. Esse tipo de atitude aumenta a longevidade do colchão, prolongando as deformações comuns ao uso contínuo do produto

3) Devo colocar o colchão no sol

Mito. Ao colocar um colchão em contato direto com o sol, pode-se estragar as camadas interiores do produto. É aconselhável apenas deixar o produto “respirar”, sem as roupas de cama e a capa protetora, preferencialmente em um ambiente bem ventilado. Esse tipo de atitude ajuda a evitar a umidade nos colchões

4) Quanto mais duro, melhor para a postura

Mito. Um colchão duro demais pode, inclusive, provocar desconforto e até lesões na coluna. E o colchão mole também entorta a coluna, causando dor. Culturalmente, o brasileiro tem preferência por colchões mais firmes, enquanto países na Europa e nos Estados Unidos, a preferência é por modelos mais macios. Para garantir que está adquirindo um produto de qualidade, o consumidor deve procurar o certificado Pró-Espuma na hora de comprar seu colchão. Essa é a melhor forma de garantir mais conforto e qualidade para o seu sono.

5) É possível lavar colchões

Verdade, mas deve-se adotar a lavagem a seco ou buscar um especialista para fazer isso. Em casa, a recomendação é passar o aspirador por toda a superfície do colchão, inclusive nos cantos e costuras. Após fazer isso dos dois lados do produto, pode-se aplicar um produto específico para estofados, de modo a garantir a limpeza e remoção dos ácaros. Caso o consumidor prefira uma solução caseira, é recomendável misturar água e vinagre em proporções iguais dentro de um balde e molhar uma toalha limpa, torcendo bem. Depois, é só passar sobre toda a superfície do colchão

6)Colchões têm prazo de validade

Verdade. É fundamental lembrar que passamos, no mínimo, mais de 5 horas deitados nele por noite. O resultado disso é que, com o tempo, o produto se deforma. A recomendação é de se trocar colchões, no máximo, a cada cinco anos

Fonte: Instituto Nacional de Estudos do Repouso (Iner)

 

A Gazeta integra o

Saiba mais
bem estar saude

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.