ASSINE

Caminhada: exercício feito com regularidade pode fortalecer seu cérebro

A caminhada também ajuda a prevenir algumas doenças, principalmente as cardiovasculares, como hipertensão e obesidade

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 19/08/2021 às 17h54
Homem caminhando
A caminhada também aumenta o fortalecimento muscular, isso porque os vários músculos são trabalhados. Crédito: Roberto Ramirez/ Freepik

Após a descoberta que o agachamento é um exercício tão bom que pode até melhorar a função cerebral, uma nova pesquisa mostra que caminhar pode fortalecer e até rejuvenescer o cérebro.  Publicado on-line na revista acadêmica NeuroImage de junho, o estudo feito por pesquisadores da Universidade do Estado do Colorado (EUA) sobre caminhada, dança e saúde cerebral mostra que exercitar-se pode renovar a substância branca em nossos cérebros. 

Mas o que seria a substância branca? Primeiro, devemos lembrar que o sistema nervoso central é composto de duas porções: uma cinza e outra branca. Encontrada mais no interior do cérebro, a substância branca é o tecido pelo qual as mensagens passam entre as diferentes áreas da substância cinza. Ela é formada por uma porção de prolongamentos de neurônios, em especial os axônios, segundo o Escola Kids, do UOL. 

Assim, de acordo com o estudo americano também divulgado no New York Times, ao renovar a substância branca com o exercício, melhoramos a capacidade de pensar e de memória. Para se chegar a este ponto, os pesquisadores reuniram quase 250 pessoas sedentárias e de mais idade, porém saudáveis, em três grupos com atividades físicas distintas e realizadas três vezes por semana durante seis meses. 

O primeiro realizou alongamentos e treinos de equilíbrio. O segundo fez caminhadas de 40 minutos e o último grupo fez aulas de dança. Ao compararem os testes físicos, cognitivos e de funcionamento da substância branca (por meio de ressonância magnética) realizados antes e depois dos seis meses de atividades, os pesquisadores viram que muitos voluntários tinham seus corpos e cérebros diferentes do início da prática dos exercícios.

Enquanto os que apenas se alongaram mostraram declínio na saúde da substância branca e queda nos resultados cognitivos, os que praticaram atividades aeróbicas - dança e caminhada - estavam com melhor condicionamento físico e mental. Os voluntários que caminharam ou dançaram tinham a substância branca "renovada", uma vez que as fibras nervosas pareciam maiores e as lesões de tecido encolheram.

O que mais chamou atenção dos pesquisadores é que o resultado foi melhor comprovado no grupo da caminhada. Além dos benefícios citados, estes voluntários tiveram melhor desempenho nos testes de memória.

BENEFÍCIOS

Além de turbinar o cérebro, o exercício traz outros benefícios. O educador físico Nei Robson conta que a caminhada ajuda a diminuir a retenção de líquidos, pois favorece a circulação sanguínea. "Também contribui para prevenir algumas doenças, principalmente as cardiovasculares, como hipertensão e obesidade. Ela ainda aumenta o fortalecimento muscular por vários músculos serem trabalhados durante a prática. A constância e continuidade no exercício pode ajudar a diminuir dores, a melhorar a postura corporal e ainda gera o relaxamento, devido à liberação de hormônios responsáveis pela sensação de bem-estar". 

A caminhada é uma atividade aeróbica que pode ser realizada por qualquer pessoa, independente da idade e do condicionamento físico. Os profissionais de educação física ressaltam, quanto mais ativo o ser humano for, maior facilidade de realizar o exercício. "É importante ter alguns cuidados durante a caminhada para que não aconteçam lesões ou situações que podem comprometer o bem-estar da pessoa", diz Nei Robson. 

Usar roupas leves, fazer uma boa hidratação antes, durante e depois das caminhadas, além de um breve aquecimento, são algumas das dicas para quem quer praticar. "Como qualquer outro exercício físico, é sempre aconselhável uma visita ao médico e o acompanhamento de um profissional de educação física para ter melhor controle das limitações cardíacas e/ou articulares", explica o educador físico Bruno de Palma Ribeiro, da academia Wellness Club.  

Bruno de Palma Ribeiro, Profissional de educação física
Bruno de Palma Ribeiro fala sobre a importância da caminhada. Crédito: Bruno de Palma Ribeiro

Bruno de Palma Ribeiro

Educador físico

"Manter uma rotina de mobilidades articulares, alongamentos e fortalecimentos musculares ajudará no desempenho de suas caminhadas"

Para quem ainda está parado, a regra é começar com metas curtas. "E devagar é possível ir aumentando gradativamente a distância e também a velocidade", diz Nei Robson.

Já para quem está acostumado, ele conta que o orientado é alternar caminhadas curtas com pequenos trotes. "Evite horários mais quentes, como entre as 11 horas e as 16 horas, e ruas muito movimentadas. Esses intervalos ajudam a concentrar mais no tempo e controlar a respiração e a velocidade" diz o profissional.

*Com informações do Estadão e do Uol

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Saúde

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.