ASSINE

Açaí contaminado pode ter relação com três casos de doenças de chagas

O alimento teria sido preparado por pequenos produtores locais na Amazônia e não há indícios de comercialização para outras cidades

Publicado em 03/01/2018 às 08h58
Açaí contaminado pode ter relação com doença de chagas. Crédito: Divulgação Internet
Açaí contaminado pode ter relação com doença de chagas. Crédito: Divulgação Internet

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas confirmou a notificação de três casos de Doença de Chagas Aguda por Transmissão Oral procedentes do município de Lábrea, a 702 quilômetros de Manaus. Dois pacientes estão em tratamento na capital do estado e um terceiro segue sob acompanhamento médico em Lábrea. Outros dois casos estão sendo investigados.

A suspeita é que a doença foi contraída por meio do consumo de açaí contaminado. O alimento teria sido preparado por pequenos produtores locais e não há indícios de comercialização para outras cidades.

O presidente da Fundação de Vigilância em Saúde, Bernardino Albuquerque, afirma que a fiscalização foi reforçada no município.

“Nós temos trabalhado com essa questão da sensibilização e a educação desses produtores. Na grande maioria das vezes, o que ocorre é a presença do barbeiro que eventualmente é triturado junto com o açaí.”

A Doença de Chagas Aguda de Transmissão Oral é uma doença infecciosa grave, causada por um protozoário conhecido por Trypanosoma cruzi. Ele é transmitido pela ingestão de alimento contaminado com os parasitas presentes nas fezes dos insetos vetores, chamados de barbeiros.

Os doentes podem apresentar um quadro de febre constante, inicialmente elevada, diarreia, vômito, dores de cabeça e musculares. Casos complicados podem evoluir com manifestações cardíacas, além do comprometimento do fígado e baço.

O diagnóstico precoce e o tratamento imediato previnem as formas crônicas da doença e a ocorrência de óbitos.

A Gazeta integra o

Saiba mais
doenca

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.