ASSINE
Os ataques terroristas de 11 de setembro completam 20 anos
Os ataques terroristas de 11 de setembro completam 20 anos. Crédito: Thomas Svensson/ Pexels

Política externa dos EUA após o 11 de Setembro abriu espaço para a China

Enquanto os norte-americanos se preocupavam com a presença militar no mundo e davam pouca ênfase à diplomacia transformacional e à ajuda econômica, a China posicionou-se usando a estratégia contrária

Publicado em 11/09/2021 às 02h00
  • Daniel Carvalho

    É professor do curso de Relações Internacionais da UVV

Os atentados de 11 de setembro abriram para os EUA uma oportunidade poucas vezes vista na geopolítica global. “Não se engane: nós vamos caçar e punir os responsáveis”, disse George W. Bush em pronunciamento que anunciava à opinião pública americana que os EUA se engajariam em uma “Guerra ao Terror”. As invasões no Afeganistão (2001) e Iraque (2003) serviram para dar aos americanos sensação de proteção e vingança, mas também para os EUA reposicionarem suas peças no tabuleiro geopolítico e cercar seu novo maior rival – a China.

Na América Latina, maior presença policial e militar tornou o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro questões de segurança internacional. Na África, parcerias na confecção de leis antiterror deram margem para perseguição política. Lá, aumentou-se a presença militar já intensa: construção de bases militares, treinamento e assistência dos exércitos aliados e ataques aéreos com drones tiveram lugar em praticamente todos os países acima do Congo. Na Ásia, o mesmo aconteceu de modo a criar, da Indonésia ao Cazaquistão, uma cortina militar em torno da China.

A menos que se tratasse de um planejamento de bastante longo prazo, a estratégia saiu pela culatra. Nesses 20 anos, a estratégia americana foi atingida por importantes percalços como a Primavera Árabe e o vácuo de poder gerado no Iraque e na Síria que foi preenchido pelo Isis.

Enquanto se preocupavam com a presença militar no mundo e davam pouca ênfase à diplomacia transformacional e à ajuda econômica, a China posicionou-se usando a estratégia contrária: foco na ajuda e parcerias econômicas para depois criar bases militares no estrangeiro.

A cada soldado que caia e a cada desaceleração econômica, a população americana pedia o recuo militar do país no mundo. Primeiro Iraque, agora Afeganistão. Enquanto isso, a China silenciosamente se posiciona e lança projetos ambiciosos como a Iniciativa do Cinturão e da Rota. Não há vácuo de poder que não seja preenchido, e a China vem mostrando isso aos EUA.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.