ASSINE

Escolas precisam se reinventar para garantir permanência de alunos

As instituições de ensino que vão continuar no mercado são aquelas que melhor se adaptarem à nova realidade imposta pela pandemia da Covid-19

Publicado em 21/10/2020 às 16h00
Fotos de sala de aula vazia - banco de imagens
Os desafios para a Educação no país são ainda maiores devido à pandemia da Covid-19. Crédito: Freepik

As transformações e desafios causados pela pandemia do novo coronavírus atingiram todos os setores, no Brasil e no mundo. Porém, especialistas em educação, assim como pais, professores e alunos, concordam que as mudanças ocasionadas pela interrupção de aulas presenciais em decorrência do fechamento de escolas e faculdades estão entre as mais drásticas. Ainda que os computadores e o uso da internet não fossem nenhuma novidade, usá-los de forma exclusiva para garantir o aprendizado foi uma ruptura significativa para a sociedade, com implicações ainda desconhecidas para o futuro.

“Aulas de robótica, simulados e correções de redação on-line, recursos audiovisuais dos mais variados e o próprio ensino a distância para o nível superior, nada disso é novidade: os congressos e pesquisas já tratam há anos da transformação digital. Mas a ruptura vista este ano é algo novo, especialmente por não ter sido prevista ou escolhida por ninguém. Então, se faz necessário repensar completamente o que estamos fazendo e por que está sendo tão difícil usar a tecnologia já disponível desde a década de 90”, argumenta a consultora em educação, pesquisadora e psicopedagoga Jane Haddad.

Jane Haddad, psicopedagoga, mestre em Educação e professora universitária
Jane Haddad argumenta que é preciso repensar os modelos de ensino adotados nas escolas. Crédito: Acervo pessoal

Na perspectiva da pesquisadora, as escolas que irão permanecer no mercado pós-Covid são as que melhor se readaptarem pedagogicamente, metodologicamente, economicamente e socialmente, além, é claro, as que conseguirem manter em ordem os novos protocolos de biossegurança.

“Ressignificar a forma de avaliar os alunos e pensar em como novos conteúdos serão integrados à grade curricular vão ser exigências a partir de agora. Não adianta colocar uma quantidade excessiva de conteúdo, disciplinas e encher os horários de uma criança, de um adolescente, se não ensinar a usar o conhecimento de forma prática. O ensino híbrido vai ser uma realidade sim, mas como forma de enriquecer e complementar, não substituir a presença do professor ou o espaço físico da escola,” constata Jane.

Para a consultora e especialista em Educação Integral do Instituto Ayrton Senna, Cynthia Sanches, as empresas de educação devem ficar atentas: é provável que ao retomar o ensino presencial a transformação digital deixe de ser protagonista, e as habilidades socioemocionais e o processo de aprendizagem passem a ser prioridade. Cabe pensar, segundo ela, em uma personalização do ensino.

Cynthia Sanches

Consultora e especialista em Educação Integral do Instituto Ayrton Senna

"Sabemos que nem todos os alunos aprendem no mesmo ritmo e também que possuem interesses diversos, o que exige outros modos de ensinar – e amplia o currículo atual para outros tipos de conhecimento, como aprender a construir seu projeto de vida e aprender a interagir criticamente e criar nas diferentes mídias, por exemplo"

A mestra em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e professora alfabetizadora, Paola Forechi, está tendo uma experiência inusitada durante o período de isolamento social. Aluna de Psicologia, ela se vê diariamente no papel de estudante. Porém, tendo filhos em idade escolar e ajudando um sobrinho, é responsável por mediar as atividades escolares dos meninos. E ainda é professora. Justamente por estar vivenciando todas as perspectivas, é que ela afirma a importância de repensar as metodologias de ensino, valorizar mais o professor enquanto mediador e buscar a todo custo democratizar o acesso à internet para não permitir que o conhecimento seja distribuído de forma ainda mais desigual.

“É importante destacar que a escola não perderá tão cedo, talvez nunca, o seu lugar social. É nela que processos importantes como a socialização e a aprendizagem estruturada acontecem efetivamente. No entanto, é inegável que a tecnologia é uma aliada e pode ser um acelerador de aprendizagem. Assim como também pode acentuar as desigualdades, caso o acesso para alunos e professores não seja revisto”, disse a mãe, aluna e professora.

Paola Forechi, mestra em educação, professora alfabetizadora, estudante de Psicologia e mãe que acompanha os filhos nas aulas
Paola Forechi está no papel de aluna, professora e mediadora durante a pandemia, e tem visão abrangente sobre o que é preciso melhorar na Educação. Crédito: Acervo Pessoal

LIÇÕES

O vice-presidente do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe-ES) e diretor de escola, Eduardo Gomes, também concorda que é possível aprender algumas lições com o momento conturbado. Entretanto, é preciso cautela e reflexão para compreender que a escola não pode ser substituída e que qualquer recurso, tecnológico ou não, deve ser visto como uma ferramenta e não como o caminho único para o ensino.

Eduardo Costa Gomes

Vice-presidente do Sinepe-ES

"Apesar de grande sofrimento, a experiência trouxe aprendizado e crescimento. Até para enxergar novas possibilidades, parcerias com escolas de outros lugares, treinamentos e capacitação para os professores sem a obrigatoriedade da modalidade presencial. Percebemos, ainda que obrigados, a possibilidade de usar recursos já existentes, mas que ainda não estavam sendo aproveitados em sua totalidade. É muito mais confortável, por exemplo, fazer uma reunião por videoconferência"

A transformação digital será inevitável, nas palavras do especialista em Políticas Educacionais e coordenador de projetos do Todos pela Educação, Ivan Gontijo. Porém, as desigualdades na educação também vão crescer, caso não sejam oferecidas condições mínimas para alunos, professores e escolas.

“A ideia de trazer novos elementos para a sala de aula é incrível, mas precisa ser responsável. Em um futuro bem próximo, a perspectiva é de enfrentar grandes discrepâncias no aprendizado, já que comprovadamente perdemos um pouco durante a adaptação e, claro, com quem não tem infraestrutura adequada para o ensino a distância. Além de uma provável evasão escolar, grande entre os alunos da rede pública, motivada pela crise econômica e também pela quebra de vínculo com o espaço físico, o ambiente escolar”, finaliza. 

A Gazeta integra o

Saiba mais
Educação Encontro de Pais e Mestres Escolas particulares Escolas Públicas

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.