ASSINE

Mãe mata filha e esconde o corpo em meio a cinzas vulcânicas na Itália

Para despistar as investigações, mulher disse à polícia que a menina havia sido sequestrada em troca de resgate, mas os oficiais suspeitaram da história

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 15/06/2022 às 16h05

Martina Patti, 23, foi presa na Sicília, Itália, após admitir ter matado sua filha de cinco anos e escondido o corpo em meio a cinzas vulcânicas. Para despistar as investigações, ela disse à polícia que a menina havia sido sequestrada em troca de resgate, mas os oficiais suspeitaram da história.

De acordo com os jornais locais, a mãe acionou a polícia na segunda-feira, 13, para noticiar o sequestro da filha. Ela teria dito que três homens encapuzados, um deles armados, levaram a menina enquanto ela saía da escola onde havia ido buscá-la. Patti ainda afirmou ter visto a criança entrar em um carro sem placa.

Vulcão Monte Etna, na Itália
Vulcão Monte Etna, na Itália. Crédito: Pixabay

A polícia começou a investigar o desaparecimento e fez uma primeira rodada de interrogatórios. Mas passou a suspeitar após encontrar inconsistências no depoimento da mãe, além de não acharem crível um sequestro motivado por resgate já que a família não era rica.

Foi no segundo interrogatório que a mulher começou a chorar e contou onde o corpo da filha estava enterrado. Segundo a polícia, o corpo foi encontrado a 200 metros de sua casa, em Mascalucia, uma cidade na província de Catania, sob terra e cinzas vulcânicas do Monte Etna.

A mulher acertou a menina com uma faca de cozinha que ainda não foi encontrada, disse os policiais em coletiva.

De acordo com a polícia, Patti não forneceu um motivo para o assassinato, mas a hipótese dos policiais é que o crime foi motivado por ciúmes. A mãe não estaria gostando da proximidade da filha com a nova namorada do seu ex-parceiro e pai de Elena, Alessandro Del Pozzo.

O assassinato foi cometido um dia depois que a menina passou o dia com os avós paternos, o pai e sua namorada, segundo o jornal La Notizia.

"Não me lembro do que passou pela minha cabeça quando esfaqueei minha filha", disse Martina Patti durante o interrogatório. Ela responderá por assassinato e ocultação de cadáver.

A advogada de defesa Gabriele Celesti disse ao canal Rai News que "foi um interrogatório dramático de uma mulher destruída e julgada que fez algo que ela também não achava que poderia fazer".

Enzo Magra, prefeito de Mascalucia, disse: "Estou chocado. Ao ouvir a notícia, comecei a chorar. É um drama único que nunca quisemos ouvir."

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.