ASSINE

EUA retomam média diária de 100 mil casos de Covid-19

De acordo com a Associated Press, o último dado diário apresentou 107.143 infecções, nível que esteve próximo dos 11 mil novos casos no final de junho

Publicado em 07/08/2021 às 11h54
Mulher usando máscara
A média de sete dias para novas mortes diárias também aumentou, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. Crédito: prostooleh/Freepik

Os Estados Unidos passaram a registrar uma média diária de 100 mil novos casos de covid-19, em um retorno a marcas que o país havia deixado para atrás, e que demonstra o impacto da variante delta do coronavírus. De acordo com a Associated Press, o último dado diário apresentou 107.143 infecções, nível que esteve próximo dos 11 mil novos casos no final de junho.

A média de sete dias para novas mortes diárias também aumentou, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. Nas últimas duas semanas, passou de cerca de 270 mortes por dia para quase 500 na última sexta-feira.

O avanço nas infecções é liderado especialmente por estados do sul dos EUA. A Florida lidera em novas hospitalizações, e o governador local, o republicano Ron DeSantis definiu uma nova regra estadual que vai se opor aos mandados de máscaras nas escolas, permitindo que os pais solicitem vouchers para estabelecimentos particulares se acharem que os requisitos equivalem a "assédio", segundo o New York Times. Em uma disputa com o governo federal, o líder afirmou nesta semana que "podemos ter uma sociedade livre, ou podemos ter um estado de segurança biomédica".

Enquanto isso, na Itália no último dia 6,7 milhões de "passes verdes" foram emitidos, anunciou o ministro da Saúde do país, Roberto Speranza em seu Facebook. Os comprovantes passarão a ser exigidos para o ingresso em uma série de espaços, como museus e universidades. Segundo Speranza, o número de emissões "é o sinal da grande colaboração e sentido de responsabilidade dos italianos". O passe comprova a imunização ou o teste com resultado negativo para a covid-19.

Já a agência europeia de medicamentos (EMA, na sigla em inglês) recomendou que seja atualizada a informação sobre a vacina da Johnson & Johnson para incluir a trombocitopenia imune como uma "reação adversa". Em comunicado, a EMA aconselhou que fosse mencionada no plano de gestão de como um "risco importante identificado". A reação é uma condição na qual o sistema imunológico ataca e destrói erroneamente as células sanguíneas, necessárias para a coagulação normal. Por sua vez, a agência reiterou que o balanço entre riscos e benefícios da vacina segue inalterado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.