ASSINE

Conheça cinco programas imperdíveis no Qatar, sede da Copa de 2022

País árabe tem monumentos históricos no deserto e construções modernas à beira-mar

Publicado em 16/07/2018 às 15h25
Forte de Al Zubarah, um dos sítios arqueológicos mais importantes do Qatar. Crédito: Divulgação
Forte de Al Zubarah, um dos sítios arqueológicos mais importantes do Qatar. Crédito: Divulgação

A Copa do Mundo da Rússia mal acabou e todo mundo agora parece ter um novo destino em mente: Qatar, o pequeno país na Península Arábica que sediará o próximo Mundial, em 2022. De monumento histórico no deserto a prédios moderníssimos às margens do Golfo Pérsico, há muito o que se ver tanto na capital Doha quanto no interior. Veja cinco programas imperdíveis a seguir:

AL ZUBARAH

Corniche, o calçadão à beira-mar de Doha, a capital do Qatar. Crédito: Divulgação
Corniche, o calçadão à beira-mar de Doha, a capital do Qatar. Crédito: Divulgação

 

História preservada. Localizada na costa noroeste do país, a cem quilômetros da capital Doha, a antiga cidade murada Al Zubarah é listada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Este conjunto arqueológico revela como eram os assentamentos na região nos séculos XVIII e XIX, quando ali funcionava uma das capitais do rico comércio de pérolas no litoral da Península Arábica. Pesos usados por mergulhadores, cerâmicas vindas de todo o mundo árabe, representações de balsas, e utensílios para pesca e outras atividades podem ser vistas no museu que funciona no forte, restauradao.

CORNICHE

Khor Al Adaid, combinação de dunas, deserto e mar no sul do Qatar . Crédito: Divulgação
Khor Al Adaid, combinação de dunas, deserto e mar no sul do Qatar . Crédito: Divulgação

 

O calçadão de Doha. Com sete quilômetros de extensão, esse calçadão à beira-mar abraça a orla da Baía de Doha e leva o visitante a algumas das principais atrações da capital, como o Museu de Arte Islâmica e o Msheireb Enrichment Centre, que conta a história do país. No calçadão também está o porto dos dhows, tradicionais embarcações de madeira, a vela, que fazem roteiros turísticos pela orla da cidade, oferecendo belas vistas para o skyline da cidade ao mesmo tempo em que o visitante aprende sobre o cotidiano dos pescadores de pérolas.

KHOT AL ADAID

Mangues de Al Thakira, perto da Al Khor, uma das cidades-sede da Copa. Crédito: Divulgação
Mangues de Al Thakira, perto da Al Khor, uma das cidades-sede da Copa. Crédito: Divulgação

 

O'mar interior'. Esta reserva natural fica a apenas 60 quilômetros de Doha, mas remete a um lugar tão isolado do mundo que a impressão é que seriam necessários muitos dias de viagem para chegar até lá. Em meio a dunas gigantescas, braços de mar surgem em pleno deserto, formando lindas praias num cenário único, que preserva exemplares de fauna e flora característicos da Península Arábica, como tartarugas e aves marinhas.

MANGUES DE AL THAKIRA

The Pearl-Qatar, a ilha artificial dos hotéis e resorts de luxo em Doha . Crédito: Divulgação
The Pearl-Qatar, a ilha artificial dos hotéis e resorts de luxo em Doha . Crédito: Divulgação

 

Vida no deserto. Em outra paisagem inusitada em um lugar dominado pelo deserto, esse conjunto de mangues é famoso pela concentração de espécies de aves migratórias. A melhor maneira de ver o mangue e toda sua vida de perto é de caiaque, e há muitas empresas que organizam essas excursões, saindo tanto de Doha quanto da cidade mais próxima, Al Khor. Esta, aliás, será uma das sedes da Copa de 2022 e tem um conjunto de vilarejos de pescadores que também merece ser visitado.

THE PEARL-QATAR

Uma ilha artificial. Como não poderia faltar em um pequeno país que enriqueceu com o petróleo, o Qatar tem sua ilha artificial. The Pearl-Qatar fica no litoral norte de Doha, com marinas, torres residenciais e hotéis de luxo, villas, restaurantes e lojas de grife internacional. Mesmo quem não tiver orçamento "padrão Fifa" pode aproveitar para passear pelo lugar, farto em calçadões, parques e restaurantes com mesas ao ar livre - ainda mais se estiver em novembro e dezembro, meses em que a Copa de 2022 excepcionalmente será realizada, quando o calor deixa de ser tão opressivo, mesmo na chamada "Riviera Árabe".

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.