Biden assina decretos para impulsionar vacinação e anuncia novas restrições

O democrata afirmou que a pandemia "ficará pior antes de melhorar" e previu que o número de mortes por coronavírus "provavelmente" ultrapassará 500 mil em fevereiro.

Publicado em 21/01/2021 às 17h46
Atualizado em 21/01/2021 às 17h46
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden (c), observado pela vice-presidete Kamala Harris (d), assina três documentos, incluindo uma declaração de posse, nomeações de gabinete e nomeações de sub-gabinete na Sala do Presidente no Capitólio, em Washington (DC), após tomar posse, nesta quarta-feira, 20 de janeiro de 2021.
Biden assina documentos , incluindo uma declaração de posse e nomeações . Crédito: Jim Lo Scalzo/Estadão Conteúdo

novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou uma série de decretos - 10 no total - para impulsionar a vacinação contra a Covid-19 e aumentar as restrições a viajantes que chegam ao país. Um dia após tomar posse, o democrata afirmou que a pandemia "ficará pior antes de melhorar" e previu que o número de mortes por coronavírus "provavelmente" ultrapassará 500 mil em fevereiro. De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, mais de 408 mil americanos já morreram da doença.

Dentro as principais medidas, está a exigência de testes de Covid-19 e quarentena para quem viajar de outros países aos Estados Unidos. "A saúde da nação está literalmente em jogo, não é uma hipérbole", declarou Biden.

O democrata também assinou um decreto para permitir que as agências governamentais usem a Lei de Defesa da Produção para acelerar a produção de vacinas.

Biden criticou a gestão de seu antecessor, Donald Trump. "No ano passado não pudemos contar com o governo federal", afirmou.

Segundo o novo presidente, apesar de o início da imunização contra a Covid-19 ter trazido esperança, "o resto foi um fracasso sombrio".

Ecoando o tom de união adotado no discurso de posse, o democrata disse que pedirá ao Congresso a aprovação de mais recursos para a saúde. "Estamos em uma emergência nacional", declarou, ao clamar pelo apoio dos líderes do Congresso.

De acordo com Biden, "levará meses" para que mais da metade da população dos EUA esteja vacinada contra o coronavírus. Por isso, ele defendeu a utilização de máscaras para frear o avanço da doença e anunciou um decreto para tornar obrigatório o uso da proteção em ônibus, trens e aviões.

"Nossa estratégia nacional contra a pandemia é baseada em ciência, não em política", frisou Biden.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.