ASSINE

Biden anuncia pacote fiscal de US$ 1,9 tri e prevê auxílio de US$ 2.000

O presidente eleito dos Estados Unidos apresentou um plano econômico "ambicioso" que abre os cofres do governo. Aumento do salário mínimo por hora e ampliação de auxílio pago em cheque estão entre as propostas

Publicado em 15/01/2021 às 07h45
Atualizado em 15/01/2021 às 07h45
Candidato à Presidência dos EUA Joe Biden
Candidato à Presidência dos EUA Joe Biden. Crédito: Reuters/Folhapress

O presidente eleito dos Estados UnidosJoe Biden, detalhou nesta quinta-feira (14), o pacote econômico para ajudar os americanos a resistir ao choque econômico da pandemia do coronavírus e injetar mais dinheiro em testes e distribuição de vacinas. O plano, que ele chamou "ambicioso" mas viável e capaz de salvar o país, será proposto ao Congresso, chega à soma de US$ 1,9 trilhão.

O principal foco da proposta é na vacinação e no alívio para os cidadãos, com o pagamento de cheques no valor de US$ 1.400, que devem se somar aos US$ 600 já aprovados em dezembro, totalizando um auxílio de US$ 2 mil. 

O pacote traz ainda uma das mais ousadas propostas de campanha de Biden de aumentar o salário mínimo nacional. O plano propõe que o salário-base por hora mais do que dobre, indo de US$ 7,25 (R$37,76) para US$ 15 (R$ 78) por hora. 

O plano está sustentado em três grandes eixos: colocar mais recursos no enfrentamento à pandemia com US$ 400 bilhões, com a aceleração da vacinação e um grande incremento na capacidade de testagem; fornecer ajuda direta para algumas famílias americanas, para as quais foi reservado cerca de US$ 1 trilhão; e apoiar empresas e comunidades mais afetadas pela crise, com cerca US$ 440 bilhões.

Para a vacinação, Biden prevê US$ 20 bilhões para parcerias com administrações locais. Outro foco do presidente é a reabertura de escolas, e o investimento em infraestrutura para se adequar aos protocolos da pandemia conta com US$ 130 bilhões do pacote, a fim de realizar uma "reabertura com segurança".

A testagem para a Covid-19, outra prioridade deve receber US$ 50 bilhões. Em vista das novas variantes do coronavírus encontradas no Reino Unido e na África do Sul, Biden afirma que espera expandir "criticamente" a capacidade de sequenciamento do país.

NÃO É MOMENTO PARA INAÇÃO

Após a divulgação do plano pelo partido, Biden fez um discurso na noite desta quinta em Delaware. Ele afirmou que o grave momento exige uma resposta à altura. "Um coro crescente de importantes economistas concorda que, neste momento de crise, com as taxas de juros em baixas históricas, não podemos nos permitir a inação", disse.

Joe Biden

Presidente eleito dos EUA

"Se investirmos agora, ousadamente, com inteligência e com foco inabalável nos trabalhadores e famílias americanos, fortaleceremos nossa economia, reduziremos a desigualdade e colocaremos as finanças de longo prazo de nossa nação em um curso mais sustentável"

Fontes da administração indicam que também é esperado que seja apresentada uma segunda proposta, focada na recuperação econômica e crescimento do país, que usará empregos e infraestrutura como ferramentas no combate à mudanças climáticas.

Com as agências Estado e Folhapress

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.