Picape Fiat Toro Ranch esbanja versatilidade no uso rural e urbano

Com valor a partir de R$ 171.990, a Ranch cumpre bem sua função de “top” de linha

Publicado em 28/09/2020 às 16h27
Os cromados da versão Ranch reforçam a afinidade com o mundo rural
Os cromados da versão Ranch reforçam a afinidade com o mundo rural. Crédito: Luiza Kreitlon/Automotrix

A Toro é uma picape intermediária – maior que as compactas e menor em comparação às médias – com chassi em monobloco, apresentada em fevereiro de 2016. Dois meses após o lançamento, já vendia mais que todas as picapes médias – como Toyota Hilux, Chevrolet S10, Ford Ranger ou Nissan Frontier, todas com chassi em longarinas. Desde então, a Toro é superada nas vendas apenas pela compacta Strada, da própria Fiat.

Em 2018, surgiu uma nova versão “top”, a Ranch, que, mais do que atender às exigências reais da vida rural, a Ranch se propõem a suprir às demandas aspiracionais de quem compra picapes – sejam fazendeiros de verdade ou os aclimatados nas selvas de concreto urbanas.

Por fora, a Toro preserva as linhas contemporâneas da época do lançamento. Na versão 2020, apresentada em julho de 2019, a picape teve discretas novidades, como a adoção de um “overbumper” – para-choque frontal com uma barra de impulsão incorporada, que dá um aspecto mais robusto – e de um multimídia com tela de 7 polegadas.

A caçamba da picape Fiat Toro Ranch 2.0 Diesel AT9 4x4 tem capacidade de 820 litros
A caçamba da picape Fiat Toro Ranch 2.0 Diesel AT9 4x4 tem capacidade de 820 litros. Crédito: Luiza Kreitlon/Automotrix

Na caçamba, com capacidade para 820 litros de bagagem, está preservado o exclusivo acesso dividido em duas portas, que se abrem em par. A capacidade de carga da Toro é de exatos mil quilos. A versão Ranch investe em detalhes que reforçam a afinidade com o mundo rural. O estilo “caipira enfeitado” é explicitado pelos cromados, que aparecem nas carenagens dos retrovisores, nos frisos da grade e entre os faróis, no estribo, nas maçanetas, no santantônio e nas soleiras das portas. O rack do teto e o protetor abaixo do para-choque também levam pintura prateada, mesmo tom adotado nas rodas de liga leve aro 18 polegadas.

A picape traz ainda para-barro nas caixas de roda e engate de reboque, que é removível. Soleira metálica e protetor do tanque de combustível completam o pacote. Emblemas referentes à versão aparecem nas portas dianteiras.

No interior, a Toro Ranch aposta em tons de negro e marrom. Um botão giratório ao lado do câmbio permite escolher entre tração dianteira, 4x4 ou 4x4 com reduzida. A versão traz sete airbags de série.

No interior, a Toro Ranch aposta em tons de negro e marrom
No interior, a Toro Ranch aposta em tons de negro e marrom. Crédito: Luiza Kreitlon/Automotrix

Sob o capô da Ranch 2.0 Diesel AT9 4x4 da Toro está o motor 2.0 Multijet II – também adotado nos Jeep Renegade e Compass. Tem duplo comando de válvulas, turbocompressor e intercooler, além de injeção direta Common Rail. Entrega 170 cavalos a 3.750 rpm e 35,7 kgfm a partir de 1.750 giros e trabalha acoplado a uma caixa automática com 9 velocidades. Com seu visual de inspiração rural, a Ranch cumpre bem sua função de “top” de linha, e seu valor parte de R$ 171.990.

820 litros

É a capacidade de bagagem na caçamba da picape Fiat Toro Ranch 2.0 Diesel AT9 4x4. Preserva-se o exclusivo acesso dividido em 2 portas

Experiência a bordo

A partida é feita por meio de botão, o que dispensa o uso da chave, e o porta-objetos do console central é refrigerado. Embora homologada para levar cinco ocupantes, só quatro viajarão com conforto, por causa do túnel central alto atrás.

A multimídia com “touchscreen” de 7 polegadas no painel central tem alta definição. A interface com o usuário é intuitiva e o acesso é facilitado pelos comandos no volante.

Na configuração Ranch, a Toro incorpora o barulho e a trepidação característicos das picapes com motores a diesel e perde um pouco do jeito mais dócil das versões flex. O elevado torque de 35,7 kgfm está disponível já em baixas rotações, transmitindo a percepção de que nunca falta força para transpor os obstáculos. Nas estradas, os 170 cv do 2.0 turbodiesel dão conta de acelerar a picape com desenvoltura. O eficiente câmbio automático de 9 marchas tem trocas suaves e rentabiliza bem o trabalho do motor. E a nona marcha só existe para economizar a velocidade de cruzeiro, uma vez que a máxima é atingida em oitava.

Em termos de estabilidade, a Toro tem comportamento similar ao de um utilitário esportivo compacto – em breve, a Fiat lançará seu SUV derivado da picape. Mesmo em velocidades mais elevadas, as rolagens de carroceria são discretas, e as suspensões McPherson na frente e multilink atrás ajudam a conferir um rodar consistente. Nas curvas, a direção se mostra precisa. Nos trechos mais sinuosos, a carroceria sacoleja um pouco. Nas trilhas, a tração integral cumpre a função de tornar a picape apta a encarar obstáculos. “Estilosa”, a Toro Ranch agrada ao público que aprecia design diferenciado, sem abrir mão dos atributos off-road que povoam os sonhos aventureiros dos donos de picapes.

automoveis

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.