ASSINE

Tudo sobre o leilão de imóveis, uma outra forma de adquirir bens

É possível arrematar unidade com até 50% do valor de mercado e parcelar o lance

Publicado em 13/01/2020 às 10h52
Atualizado em 13/01/2020 às 10h53
Leilão é uma boa forma de investir em imóveis. Crédito: Divulgação
Leilão é uma boa forma de investir em imóveis. Crédito: Divulgação

Os leilões são uma forma clássica de adquirir bens. São colocados à venda todo tipo de coisas, inclusive imóveis. Porém, muitas dúvidas cercam o assunto. O desconhecimento e as questões que pairam sobre o processo de leilão, muitas vezes, acabam afastando possíveis compradores.

A leiloeira Hidirlene Duszeiko confirma ser uma boa forma de investir em imóveis. Ela explica que a venda é feita num primeiro leilão com o valor de mercado. Caso não seja arrematado, no mesmo dia, o bem vai para um segundo leilão, com desconto de até 50%.

O pagamento também tem suas facilidades. Engana-se quem pensa que só pode arrematar o bem se der o valor à vista. “Hoje, tem também a opção de parcelamento. Você dá 25% do valor de entrada e divide o restante em até 30 vezes. Os juros costumam ser bem baixos”, explica a leiloeira.

O coordenador de bens patrimoniais do banco Banestes, Silmar Antônio Valfré, conta que na instituição financeira também é possível financiar o bem.

Segundo Valfré, os imóveis que vão a leilão podem ser de todos os tipos: fazendas, sítios, comerciais e residenciais. Qualquer pessoa, física ou jurídica, pode participar.

O Banestes costuma realizar três ou quatro leilões por ano. Eles acontecem online e presencialmente ao mesmo tempo. A quantidade depende de alguns fatores. “Organizar um leilão envolve muitos detalhes. Tem que elaborar o edital, o setor jurídico precisa aprovar... Além da questão estratégica do banco de unir vários imóveis para um leilão”, explica o coordenador.

Burocracia

Após o arremate, o imóvel já passa para o novo dono, afirma Valfré. “A pessoa que deu o maior lance tem de entrar com o processo no banco para realizar o pagamento. Se for à vista, já iniciamos a documentação para a escritura. Se for financiado, tem o documento de alienação do bem até o fim do pagamento das parcelas, aprovação do crédito... Todo o processo normal de financiamento”, complementa.

Há a possibilidade do imóvel ainda estar ocupado. Hidirlene Duszeiko explica que, nessa situação, caso o leilão seja judicial, ou seja, realizado por um órgão público, o juiz dá a sentença de desapropriação. Nos extrajudiciais, aqueles realizados por bancos, quem arrematar precisará iniciar o processo de desapropriação.

“Isso deve ser levado em conta na hora de dar o lance para ver se realmente vale a pena”, atenua a leiloeira, que também recomenda a leitura atenta ao edital.

Hidirlene garante que o processo é totalmente seguro. “Pode acontecer de o leilão ser cancelado. Neste caso, quem arrematou recebe o dinheiro de volta integralmente e ninguém fica no prejuízo”, explica. l

Mitos e verdades

  • 01

    Leilão é um bom negócio para quem quer investir em imóveis

    Verdade4.Os bens podem ser arrematados com até 50% de desconto

  • 02

    Só pode pagar o imóvel à vista

    Mito. Quem deu o lance mais alto pode pagar o bem à vista, mas também há a opção de dar uma entrada e parcelar o valor restante

  • 03

    O processo para adquirir o imóvel é burocrático e demorado

    Mito. O processo é feito assim que o leilão termina. A documentação já está disponível para quem deu o maior lance o item da Lista

  • 04

    O comprador tem que despejar quem estiver morando na casa

    Não é bem assim. Caso seja um leilão extrajudicial, como de um banco privado, quem comprou o imóvel terá que fazer os trâmites judiciais. Isso deve ser levado em consideração na hora de arrematar o bem. Contudo, nos leilões judiciais, promovidos pelo governo, o juiz já dá a sentença de desapropriação do imóvel.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.