ASSINE

Seleção reage no segundo tempo e vence a República Tcheca em amistoso

Vitória em Praga por 3 a 1 foi o último teste antes da convocação para a Copa América

Publicado em 26/03/2019 às 18h46

A Seleção Brasileira foi a Praga, nesta terça-feira, para apagar a péssima atuação diante do Panamá. Por pouco, não saiu com um resultado frustante, como o início do amistoso dava a crer. Diante da República Tcheca, bem mais capacitada em relação ao adversário anterior, o Brasil voltou a ser inconstante, porém conseguiu a virada com dois gols de Gabriel Jesus no fim: 3 a 1, sendo que Roberto Firmino foi quem iniciou a reação. Pavelka fez para os mandantes.

Gabriel Jesus marcou dois gols e garantiu a vitória do Brasil sobre a República Tcheca. Crédito: Lucas Figueiredo/CBF
Gabriel Jesus marcou dois gols e garantiu a vitória do Brasil sobre a República Tcheca. Crédito: Lucas Figueiredo/CBF

No último amistoso, o Brasil havia decepcionado e ficado só no empate com o Panamá (1 a 1). Agora, em meio à pressão e muitas contestações quanto ao rendimento em 2019, Tite fará a convocação para a Copa América, cuja estreia será no dia 14 de junho, contra a Bolívia.

CALOR DOS EUROPEUS

O Brasil iniciou a partida da mesma maneira que terminou o último amistoso (com o Panamá): com muitas ligações diretas e dificuldade no jogo apoiado. A República Tcheca, por sua vez, optou em adiantar a marcação e provocou diversos erros da equipe de Tite. As melhores chances nos primeiros, inclusive com duas reais, foram dos mandantes. Em tentativa de Schick, Alisson teve trabalho e evitou que um gol ainda na primeira parte da etapa inicial saísse.

GOL DELES. MERECIDO

Os tchecos perceberam a fragilidade e o nervosismo da Seleção na partida e, com isso, foram mais agressivos quando roubavam a bola. E foi em um recorrente erro coletivo na saída de bola, não cortada por Marquinhos, que Pavelka abriu o placar em bela finalização: sem chances para Alisson, na casa dos 36 minutos do primeiro tempo.

EMPATE NA VOLTA

Se estava apagado e não tinha finalizado uma vez sequer no primeiro tempo, Firmino recebeu um presente da zaga adversária logo nos primeiros minutos da etapa final. O camisa 20 teve frieza para empatar, cara a cara com o goleiro.

A MELHORADA ESPERADA VEIO NO FIM

Tite fez diversas alterações visando a virada, ciente da pressão que tem sofrido e do baixo rendimento de seus comandados, e acionou um meio mais leve e criativo. Aos poucos, a Seleção foi encontrando meios para furar a zaga rival e, com mais mobilidade e com David Neres e Everton inspirados vindo do banco, conseguiu a virada com dois gols de Gabriel Jesus, em jogadas bem construídas. Nem tão previsível como em outrora, mas ele nos salvou.

REPÚBLICA TCHECA 1X3 BRASIL

 

Estádio: Eden, em Praga (RTC)

Árbitro: Ovidiu Haegan

Público: 19.116 pessoas

Cartões amarelos: Casemiro (BRA)

Gols: Pavelka (36'/1ºT); Roberto Firmino (3'/2ºT) e Gabriel Jesus (37'/2ºT) e (44'2°T)

REPÚBLICA TCHECA: Pavlenka, Coufal, Suchy, Celutska (Kúdela, 13'/2ºT) e Novak (Selassie, intervalo); Soucek, Pavelka (Kral, 23'/2ºT), Darida (Frydek, 10'/2ºT), Masopust e Zmrhal; Schick (Vydra, 7'/2ºT) - Técnico: Jaroslav Silhavy.

BRASIL: Alisson; Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro (Arthur, 26'/2ºT), Allan, Lucas Paquetá (Everton, intervalo), Philippe Coutinho (Gabriel Jesus, 27'/2ºT) e Richarlison (David Neres, 17/2ºT); Roberto Firmino (Fabinho, 41'/2ºT) - Técnico: Tite.

A Gazeta integra o

Saiba mais
copa america futebol seleção brasileira

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.