ASSINE

Deputada do ES, Soraya Manato admite que PSL teve candidaturas laranjas

A afirmação foi feita pela deputada federal  do Espírito Santo durante sessão plenária da Câmara. Ao tentar defender o partido, Soraya Manato acabou confirmando a prática do crime

Publicado em 16/10/2019 às 10h50
Soraya Manato, deputada federal pelo PSL. Crédito: Luis Macedo|Câmara dos Deputados
Soraya Manato, deputada federal pelo PSL. Crédito: Luis Macedo|Câmara dos Deputados

Eleita em 2018 pelo PSL, a deputada federal Soraya Manato admitiu que o partido lançou candidaturas "laranjas" durante a campanha eleitoral. A declaração é dada em meio a um momento de turbulência dentro da própria sigla, cujo presidente nacional, Luciano Bivar, é alvo de investigação por parte da Polícia Federal justamente pelo uso de laranjas na campanha do ano passado. 

A manifestação de Soraya Manato ocorreu durante a sessão plenária da Câmara dos Deputados desta terça-feira (15). Após citar outros partidos, a exemplo de PT, MDB, PSDB e PR, alegando que todos possuem laranjas como um argumento para defender sua própria sigla, a deputada confirmou a prática de crimes no PSL. 

"Pessoal da esquerda, não tem ninguém santo aqui dentro não, tá? Tem laranja em tudo quanto é partido. Aqui no PSL tiveram os candidatos laranja, mas a grande maioria foi eleita honestamente", disse a parlamentar, que é vice-líder do PSL na Câmara. Veja o vídeo:

Os chamados candidatos laranjas são aqueles de fachada, ou seja, que entram na eleição - com consentimento ou não - sem a intenção de concorrer efetivamente ao pleito. A estratégia é utilizada por partidos, por exemplo, para desviar dinheiro do fundo eleitoral.   

Para além do escândalo das candidaturas laranja no PSL, uma crise interna vem gerado atritos entre o partido e seu principal expoente, o presidente Jair Bolsonaro, que já sinalizou a possibilidade de deixar a sigla pela qual se elegeu. 

RESPOSTA

Por meio de sua assessoria de imprensa, Soraya Manato não retirou sua fala, mas foi menos enfática do que no plenário, considerando "possível" a existência de laranjas no PSL. Ela ressaltou que fez tais declarações para mostrar que as investigações sobre o assunto englobam uma ampla gama de partidos. 

"Acusam o PSL de ter 15,9% de possíveis candidatas laranjas, mas partidos como o PT (11%), PP (10,5%), MDB (14,6%), PSD (20%), PR (28,5%), PSB (12,5%), estão com possibilidades de utilizarem deste artifício, Mas, quero chamar a atenção também do Podemos com 35,5%, o PTB com 34,8%, o PROS com 40% e o PSOL com 27,1%", diz a nota enviada. 

A deputada completa:  "Como falei em Plenário, não tem ninguém santo. Antes de acusar o meu partido, procurem ver o que os outros partidos fizeram e verifiquem se também estão sendo investigados". 

Soraya reforça que no Espírito Santo não houve laranjas, já que apenas ela e Adriana Bôas foram candidatas pelo PSL, sendo que ela obteve 57,7 mil votos e Adriana 12 mil. O mesmo reforça o presidente regional do PSL, Carlos Manato. 

 No entanto, os dois se referem somente às candidaturas para deputada federal. Para o Legislativo estadual o PSL lançou 6 candidatas em 2018, sendo que algumas não chegaram a alcançar 300 votos. 

Manato defende o posicionamento de Soraya. "Se a Justiça já está dizendo que houve (candidaturas laranja)  no PSL, não adianta ela falar que no PSL não houve. Tudo está levando a crer que houve". A Procuradoria-Geral da República foi procurada para comentar o assunto, mas disse em nota que não antecipa posicionamentos. 

A Gazeta integra o

Saiba mais
crime soraya manato

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.