ASSINE

"Democracia em Vertigem": polarização política no Brasil chega ao Oscar

Bolsonaristas e não bolsonaristas voltaram a travar guerra virtual após o documentário sobre o impeachment de Dilma Rousseff ter sido indicado ao Oscar em meio ao "presidencialismo de confrontação"

Publicado em 14/01/2020 às 20h42
Atualizado em 15/01/2020 às 10h22
Capa do documentário Democracia em Vertigem, de Petra Costa. Crédito: Divulgação
Capa do documentário Democracia em Vertigem, de Petra Costa. Crédito: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nem viu, mas já criticou o documentário "Democracia em Vertigem", de Petra Costa, que concorre ao Oscar 2020. Nas redes sociais trava-se uma luta de insultos e elogios com, como o presidente gosta de dizer, "viés ideológico". O filme mostra a visão da diretora sobre o impeachment de Dilma Rousseff (PT), mesclada com a história da própria Petra. E aponta questões que deixam o PT em uma posição mais confortável que a de seus críticos. 

E é aí que aperta o calo dos bolsonaristas, que antagonizam com o partido de Lula e Dilma mais enfaticamente desde a campanha eleitoral de 2018. Avaliar se foi ou não golpe, se houve ou não crime de responsabilidade que obrigasse a retirada da presidente do poder, é, até certo ponto, uma questão subjetiva. Há também, no entanto, tópicos objetivos como índices econômicos citados no documentário que não são precisos.

O Oscar não é Nobel de economia e tampouco tribunal político. A polarização que tomou conta do Brasil, no entanto, faz seu próprio julgamento, ou dois: um para cada lado.

"A esquerda vê a indicação (ao Oscar) como uma legitimação da visão da diretora, e não é bem isso. Não quer dizer que os que o indicaram acreditam que é a retratação fiel da realidade. E os ligados à direita bolsonarista já querem promover um filme exaltando outra parte da história", resume o cientista político Rodrigo Prando, da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

"Isso não é causa, é sintoma de algo que vivenciamos desde o impeachment e após a eleição do Bolsonaro. Ele não arrefeceu o discurso após assumir, ao contrário, faz o que eu chamo de presidencialismo de confrontação", emenda Prando. 

Esse confronto vai além da Presidência da República e das redes sociais, está no dia a dia das pessoas e não é por acaso. É estratégia política, coisa séria, mas que também é levada na brincadeira.

O PSDB, que apoiou o impeachment, por exemplo, saiu-se com essa no Twitter:

Os tucanos, principalmente desde o "Bolsodoria" – estímulo ao voto em João Doria (PSDB) para governador de São Paulo e Bolsonaro para presidente –, adotaram uma linha bolsonarista. A "piada" faz parte do repertório.

O perfil Dilma Bolada, uma sátira que trata a ex-presidente Dilma positivamente, também não perdeu a oportunidade: 

"Isso agora reacende uma parte do debate que, no fundo, nunca foi apagado. É uma lógica que, infelizmente, coloca tudo sob o maniqueísmo. 'Eu sou o bem e meus inimigos são o mal'. É uma simplificação e simplificações conseguem adeptos", resume Prando.

NETFLIX

Não é a primeira vez que uma produção audiovisual acaba arrastada para a polarização política brasileira. A série "O Mecanismo", de José Padilha para a Netflix, causou um efeito similiar – guardadas as devidas proporções. A série foi criticada por não retratar corretamente os fatos relativos à Operação Lava Jato.  O roteiro colocou, por exemplo, uma fala do então senador Romero Jucá ("estancar a sangria") na boca do ex-presidente Lula.  

Num tom acima, o especial de Natal do Porta dos Fundos, também na Netflix, foi alvo até de censura judicial após protestos de grupos cristãos, muitos ligados ao bolsonarismo. O Supremo Tribunal Federal (STF) depois derrubou a ordem e o especial segue na plataforma de streaming que também hospeda "Democracia em Vertigem".

HISTÓRICO

À parte o debate político-ideológico, Petra Costa pode ser a primeira diretora latino-americana a ganhar a estatueta. E o filme é o primeiro do Brasil a conquistar uma vaga na categoria de documentários na premiação.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.