ASSINE

Cristiane Brasil é escolhida para o Ministério do Trabalho

Informação foi divulgada por Roberto Jefferson, pai da deputada e presidente do PTB

Publicado em 03/01/2018 às 17h11
A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) . Crédito: Ananda Borges | Câmara dos Deputados)
A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) . Crédito: Ananda Borges | Câmara dos Deputados)

O presidente Michel Temer indicou nesta quarta-feira (3) a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) para o Ministério do Trabalho. A informação foi anunciada pelo ex-deputado Roberto Jefferson, pai de Cristiane e presidente do PTB, após reunião com Temer, e confirmada pelo Palácio do Planalto. Cristiane pretendia disputar a reeleição em outubro, mas desistiu para assumir o ministério, e deve ficar na pasta até o fim do governo.

Roberto Jefferson chegou a chorar ao conversar com jornalistas, dizendo que a indicação de Cristiane Brasil para o ministério é um resgate ao nome da família, doze anos depois de eclodir o mensalão — responsável por denunciar o escândalo. Réu confesso, Jefferson foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e passou 14 meses preso.

"É o orgulho , uma emoção que me dá. É um resgate (ao nome da família)", disse ele, que confirmou que será candidato a deputado federal por São Paulo.

Segundo Roberto Jefferson, a indicação não partiu dele, e sim do PTB e do próprio Temer. O presidente conversou com a deputada por telefone, que disse que topava o convite. Participaram da conversa com Jefferson no Jaburu o presidente e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

 

Em nota, o presidente Michel Temer afirmou que a escolha foi consequência de "indicação oficial feita pelo PTB". Após Ronaldo Nogueira pedir demissão do cargo, na semana passada, o PTB indicou o deputado Pedro Fernandes (MA) para a vaga. A posse do parlamentar era esperada para essa semana, mas o Planalto recuou da indicação, por Fernandes não ter o aval do ex-presidente José Sarney.

A nomeação será publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União, e a posse deve ocorrer na semana que vem.

Nesta quarta-feira, o governo Temer teve a terceira baixa de ministro em menos de um mês. O comandante do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, deixou a pasta. Segundo fontes, ouvidas pelo GLOBO sob a condição de anonimato, ele enviou uma carta ao presidente da República para solicitar o seu afastamento do cargo por questões pessoais e partidárias. Prometeu, entretanto, que ele e seu partido, o PRB, continuarão comprometidos com as reformas. Marcos Pereira é um dos ministros investigados na Operação Lava-Jato.

A Gazeta integra o

Saiba mais
brasil

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.